As noites em Angola #2.25

Última noite completa sob o céu de Angola!
Angola tem pessoas de todos os géneros e feitios.
Há hippies, há roqueiros, há punks, há quadrilhas, há tarraços, há intelectuais, há xenofobos, há brancos, há escuros, há amarelos, há vermelhos, há cowboys, há índios, etc..
Em Angola a estes géneros e feitios chamam-se tribos.

O Domingos é de uma dessas tribos.
Sei que o Domingos já trabalhou como segurança.  

Sei que o Domingos quando tirou carta de condução trabalhou como candongueiro.  
Sei que o Domingos é agora motorista de uma empresa de consultoria em Angola. E ainda bem que essa empresa é a nossa parceira cá, senão nunca o teria conhecido.  
Sei que o Domingos conduz bem. E sabe esquivar-se das estradas de maior afluência.  
Sei que o Domingos tem 28 anos.  
Sei que o Domingos é casado.  
Sei que o Domingos tem 3 filhos.  
Sei que o Domingos fala comigo de tudo, embora digam que ele fala pouco.  
Sei que o Domingos é inteligente. Sei que o Domingos é culto. Sabe história, conhece a cultura de Angola e até fala francês. 
Sei que o Domingos gosta de música angolana.
Sei que o Domingos adora DaWeasel.  
Sei que o Domingos está a construir casa em Luanda Sul. Mostrou-me um pedaço de terreno com blocos quando lá fui.
Sei que o Domingos prefere a N'gola. Ele já bebeu umas cervejas comigo.  
Sei que o Domingos gosta de banana. Ele já comeu banana assada com ginguba comigo na rua. 
Sei que o Domingos confia em mim.  
Sei que o Domingos é meu amigo, pois trabalha aos sábados para que eu possa conhecer a Luanda mais profunda e não queria aceitar o dinheiro para 'gasosa'.


Não sei em que dia nasceu o Domingos. 
Só sei que o Domingos é o meu parceiro no crime em conhecer a verdadeira Luanda. 
Obrigada por tudo. 
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 10-Julho-2010
Miradouro da Lua, Luanda, Angola


P.S. - De acordo com ele, eu sou a primeira pula que lhe pede para ir ao roque e andar de candongueiro.



Sem comentários:

Enviar um comentário