Musicoterapia: I have seen

Porque esta é uma daquelas músicas que me fazem bem!
Música: Zero7 - I Have Seen

Divagações #04

Lido muito mal com pessoas que passam a vida a olharem-se ao espelho.  Lido muito mal com pessoas que não são capazes de ter espirito de grupo. Lido ainda pior com pessoas que não são capazes de pensar além de si próprias e que só abrem a boca para realçar a sua pessoa acabando por dizer só disparates.
As sonsas com mania de gaja boa, que só dizem merda e que param à frente de qualquer montra ou espelho para se verem fazem-me asco. Ainda por cima achando-se as melhores do mundo acabam por se vestir mal e à pacóvia, dançam só para o espelho, dizem mal de tudo e todos e o pior... se a ideia não fôr delas não colaboram.
 
Lido melhor com pessoas que não sabem ouvir, rabugentas, que falam o que pensam, agressivas e com mania de superioridade mas de alma generosa.

Pronto. Já desabafei.   
 

"Family matters, bounds matter."

Há 18 anos atrás e apesar de não saber nada sobre planeamento familiar condenava a minha mãe por estar grávida do 7º filho.
Há 18 anos atrás estudava no Funchal e cada vez que dizia o número de irmãos que tinha diziam-me "isso é normal em Câmara de Lobos". Mas eu sou do Estreito.
Há 18 anos atrás já tinha mudado fraldas e feito biberões e papas a 3 irmãos tendo até substituido a minha mãe nas idas ao Centro de Saúde. 
Há 18 anos atrás aquele que era o meu irmão mais novo tinha acabado de fazer seis anos.
Há 18 anos atrás na noite de 28 para 29 de Agosto estava com a minha irmã deitada no sofá a ver uma novela de nome Pantanal quando a nossa mãe chamou-nos do seu quarto e pediu-nos para arrumar a mala do bebé.
Há 18 anos atrás ganhei um irmão mais novo.
Para dois anos depois chorar de cara lavada no dia em que tive que o deixar na creche mesmo estando ele a chorar e a gritar por mim.  
Hoje ele faz 18 anos e espero sinceramente que os resultados da colocação na Universidade digam Lisboa.

They say it has no memory #09



Tim Donohue: Leave this Justin. Go home.
Justin Quayle: I can't go home. Tessa was my home. 
from movie: The Constant Gardener


Já não sei a que chamar de minha casa.



"They´re just moments. They´re not life…" #11


(Lisboa)
Arthur Eddington: It wants to travel in a straight line, but it can't. Why not?
Winnie Eddington: Because the bread is making a shape.
Frank Dyson: The apple follows the curves made in space.
Arthur Eddington: Yes. Yes, space is shaped. And that is how gravity works. Space tells objects how to move. Objects tell space what shape to be. And there's a way to prove it.
from the movie Einstein and Eddington
Autor da fotografia: Jorge Abreu
Ver mais aqui.

As noites em Angola #3.05


As rotinas transformam-nos em animais de hábitos. 
No mês de Julho ganhei rotinas em Luanda. 
E durante esta semana de Agosto em Luanda não tive nenhum dia semelhante ao anterior. 
Para mim, ir ao mesmo sítio duas vezes seguidas transforma-o em local conhecido. Sorrir transforma-nos em pessoas simpáticas e acessíveis e abrem-nos muitas portas. 
Na Madeira dizem que tenho a mania. Em Lisboa passo despercebida e o sorriso é visto como uma loucura. Em Luanda passo meia despercebida, a cor da pele não engana, o sorriso é considerado saudável e sou tratada quase que por igual. 
Não chego a ser igual porque dizem que sou conservadora. Um angolano informou-me que nós, as portuguesas, somos muito conservadoras mas que eu já sou mais acessível que a maioria das que ele conhece e que o segredo da boa adaptação talvez esteja aí, falar abertamente com todos, tratar todos por igual e deixar-se invadir pelo sentimento de liberdade que o angolano pensa que tem. 


Volto hoje a Portugal. Se tudo correr bem, regresso na noite do dia 12 de Setembro para mais uns 19 dias em Luanda para mais tarde regressar assiduamente uma semana ou mais por mês.
Por já ter passado o primeiro impacto e como as idas a Angola vão se tornar um hábito fecho a série d' "As noites em Angola" com este post.
Darei início à spin-off semanal, sempre que por cá estiver, com o assunto "Kandandu Angola" que significa Abraçando Angola.

Smile of the day #12

(Maianga, Luanda)

As noites em Angola #3.04

(este é um post quase madeirense)
A comida cá é muito semelhante com a madeirense. O funge de milho é nada mais nada menos que o "nosso" milho. O milho antes de ser frito e que acompanhamos com fantásticos bifes de atum ou bacalhau na brasa ou os chicharros com molho à vilão.
Saudades de milho? Não. 
No fim de Julho comi funge de milho e de mandioca na Funge House e quando fui à Madeira no início de Agosto a minha mãe fez questão de fazer um prato aqui para a Je. Pequenas baboseiras à filha mais velha. ;)
Cá em Luanda disseram-me que conseguem distinguir a boa fazedora de funge da má. Claro que questionei logo como é possível. Explicaram-me que tem a ver com o cú. Se fôr arrebitado é boa fazedora de funge, se estiver já meio descaido a mulher faz mau funge ou nunca fez. O não fazer funge dizem que é pouco provável porque é tipo tradição que passa de mãe para filha. Na Madeira passou só da minha mãe para a minha irmã, o meu pulso não consegue mexer o milho durante aquele tempo todo... nem usando a luva ortopédica para a tendinite. :(
Outra coisa que fazem muito cá é carne seca. A carne seca é a "nossa" carne corada ao sol. A nossa é cozida com semilhas (aka batatas) e servido sem mais nada. A deles é cozida com quiabos, couve, tem molho e a companhar ... funge! É comida para sustentar. 
Aqui a sopa mais simples sustenta. Adorei todas as sopas que já comi cá, pois levam de tudo, desde o feijão, carne, batata doce, cenoura. Até inhame, que não aprecio, já vi na sopa! Lembram-me as sopas que a minha mãe fazia antigamente. Quando eramos 7 filhos em casa, a sopa tinha que alimentar e ser rápida, ou seja, tudo na panela e toca a cozer.
Ontem foi a primeira vez que comi um doce de cá, visto não ser muito gulosa - à excepção de chocolate e alguns gelados - nunca pedi nada de sobremesas. Mas ontem, no hotel onde a minha directora de cá está temporariamente hospedada comi uma pequena delícia. Ela estava a tomar pequeno-almoço quando cheguei e fui tomar café com ela. Ela já tinha guardado um pouco de um doce para mim. Leva coco, que não gosto, laranja, amendoim outros frutos que não consegui perceber e açúcar! Uma bomba calórica em ponto caramelo. Muito saboroso. Principalmente porque mal se nota o coco. :)
E sabem o melhor da história? Acho que fiz um novo amigo.
O chef de sala e responsável pela cozinha hoje perguntou à minha chefe por mim, pela amiga do questionário alimentar. Será que hoje ele já iria responder às questões e não sorrir tanto?  :)
Dados da foto:
Autor: eu com o BB
Data: 25-Agosto-2010
Doce do Hotel Skyna, Luanda, Angola

Soltas #12

(Maianga, Luanda) 
"Aquilo a que chamamos destino é em grande parte decidido pelos nossos antepassados, não pelas estrelas. Quando falamos sobre a história antiga aqui, nós referimo-nos sempre ao destino; mas não nos queremos referir de facto ao incontrolável. É claro que há eventos que parecem acontecer vindos do nada e que mudam o curso das nossas vidas, mas o que realmente determina aquilo que nos acontece são as acções daqueles que estão à nossa volta e daqueles que vieram antes de nós."
A Ilha de Victoria Hislop

Silence is golden #03

(Maianga, Luanda)

As noites em Angola #3.03


Obter visto para vir a Angola não é fácil. A quantidade de papéis necessários, o escrever com a caneta preta e sempre com a mesma caneta porque eles percebem quando a caneta é diferente entre papéis. As fotos de cada vez que preencho um pedido, o extracto bancário de modo a comprovar que temos meios de subsistência, a informação da estadia, o ter já bilhete de avião emitido, .... é muita burocracia junta! Para obter visto de curta, até sete dias, nunca tive problemas.  Para obter o visto ordinário, o de 30 dias, já é mais complicado, e isso vê-se nesta minha estadia de uma semana quando era para ficar novamente um mês.

Ontem adormeci a pensar que teria que entregar o pedido de prorrogação do visto até terça-feira. E a minha preocupação não foi a roupa que veio contada para cinco dias mas que não ia ter livros, séries e filmes para o fim-de-semana. 
A preocupação passou quando hoje de manhã li no Jornal de Angola sobre a Feira Internacional da Música e da Literatura. Vi ali a minha hipótese de comprar literatura e música africana a preços baratos.
Quando me informaram que já não preciso de ficar até terça fui invadida por um misto de tristeza e alegria. 
Alegria porque vou embora sexta-feira e no sábado estarei em Portugal para a despedida de solteira de uma grande amiga que conheci graças a um suspeito do costume.
Tristeza porque já não vou poder visitar a Feira da Música e da Literatura e voltar à Feira de Artesanato de Benfica.

Hoje adormeço a ver o último episódio de Sherlock ou quem sabe se não consigo acabar o livro "A ilha", depende se consigo despachar o que ainda tenho para fazer a tempo útil. 

E se tudo correr bem, desta vez, com o próximo visto, volto na noite de 12 para 13 de Setembro por mais três semanas e aí terei tempo de voltar às feiras que tanto gosto e poder comprar mais quadros, tecidos e estátuas, que fizeram um sucesso entre amig@s e família. 

Sem fotografia.  
Hoje nem almocei de tanto trabalho!

Porque os sábados são como os Natais #08

(Maianga, Luanda)
Tinha a mania que podia mudar o mundo com discursos.
Até perceber que só preciso de agir para mudar o meu.
Antes era mais sonhadora. Hoje sou uma concretizadora. :)

As noites em Angola #3.02

(Este é um post completamente recheado de futilidades)
Em Maio quando cá vim a primeira vez o meu corpo estava na fase final do período menstrual, uma fase que devia ter durado um dia e durou dois. Estranhei, mas nada de mais. Comentei com algumas pessoas e avisaram-me que cá é normal o período durar mais.
Dois dias depois de ter aterrado em Angola em Junho, o período chegou e durou sete dias. Chegou uma semana mais cedo.  Até comentei isso nesta casa.
No início de Agosto chegou a tempo e horas e durou 3 dias entre Madeira e Lisboa.
Regressei a Angola ontem e o período aparece hoje. Uma semana antes e com aquela força que mete medo. 
Em África sofro de um descontrolo hormonal total.
Eu que sempre fui regular e que ao longo dos anos ainda mais regular fiquei, ao ponto de saber que o período chega à hora tal do dia tal... estou completamente desregulada cá.
Existe explicação médica para tal?
É que começo a ficar preocupada pois devo regressar a 12 de Setembro para mais 3 semanas de trabalho. Depende também se conseguir o visto ordinário. Mas, isso é outro post.
Dados da foto:
Autor: eu com o BB.
Data: 24-Agosto-2010
Vista da Avenida de Portugal, Luanda, Angola
Com o BNA lá em baixo :)

Nota de redacção: Hoje quando fiz a caminhada do almoço pensei em fazer um post sobre o facto de ver poucas crianças com os pais nas ruas de Luanda... fica para a um dia destes.



As noites em Angola #3.01

(Maianga, Luanda)
Saí daqui na noite de 23 de Julho!
Regressei hoje.
Em trinta dias o que poderia mudar?
Nada? Errado!
No serviço de Migração e Estrangeiros estive duas horas para poder entrar no país. A fila era enorme e os polícias ou guardas ou seguranças, sei lá como se chamam às pessoas que usam farda no controlo alfandegário, andavam a solicitar as impressões digitais aos indivíduos que como eu passaram oito horas dentro de um avião e ainda têm que estar duas horas numa fila de controlo alfandegário. 
Ainda não comentei cá como é feito o controlo cá, pois não? é um processo burocrático e irritante!
  • Da primeira vez que cá vim tive que preencher um papel para o ministério da saúde onde tinha que informá-los dos países que tinha visitado nos últimos 15 dias, se tinha febre, se tinha sintoma de gripe e se sim, assinalar quais eram esses sintomas (tosse, rouquidão, dificuldade respiratória, dor de cabeça, dores articulares, diarreia, vómitos, etc...). Depois foi a espera da praxe, a entrega do passaporte e desse papel, a fotografia e o carimbo de entrada. A segunda etapa é mostrar o passaporte com o carimbo a outro senhor de farda. A terceira etapa é mostrar o certificado internacional de vacinação ou profilaxia.
  • Da segunda vez, o papel deixou de ser necessário e já nem havia para preenchimento. A espera da praxe, a entrega do passaporte, a fotografia e o carimbo de entrada foi um processo rápido. A etapa de mostrar o passaporte com o carimbo a outro senhor de farda gerou complicações. Um mês causa curiosidade e fui questionada sobre onde ia ficar, que vinha fazer, com quem vinha trabalhar, quais os meus contactos cá e até se já tinha bilhete de regresso a Portugal. Foi um longo questionário e cheguei a pensar que iriam mandar-me de volta para Portugal. Mas não, e acabei por mostrar o certificado internacional de vacinação ou profilaxia ao senhor que suponho seja um enfermeiro. 
  • Desta vez, continuamos sem papel mas com uma longa fila de espera... mas, longa mesmo. A espera da praxe durou quase duas horas, a entrega do passaporte, a fotografia que desta vez parece que ficou mal e eu até fiz piada ao ponto do senhor de farda ao tirar nova fotografia ter pedido: vá lá sorria que não é nada feia... e finalmente o carimbo de entrada. A etapa seguinte foi pacífica, e mostrei o passaporte com o carimbo a outro senhor de farda. E na etapa final quando mostrei o certificado internacional de vacinação ou profilaxia fui questionada sobre porque razão estava a coçar-me! E eu disse-lhe: no sábado estive em Alcochete, na margem sul de Lisboa e vi mais mosquitos lá numa noite do que um mês em Angola. O senhor sorriu e disse: Boa estadia!
Nota de redacção: Não trouxe máquina e nem tirei foto ao dia de hoje com o BlackBerry. 

P.S. - O Avião era um A340 de nome Francisco d'Almeida e com a matrícula CS-TOD.  
Nota para mim: Isto de a maioria dos amigos serem geeks tem que se lhe diga. Preciso de arranjar mais amigas gajAs... para falarmos do senhor da farda que era giro, ou do top que trouxe que não dava com nada mas que era super confortável para a viagem...;)



Musicoterapia: Isso se come em Angola

(Maianga, Luanda)
Aquela música que acaba por ser um resumo resumido da nossa alimentação cá. :)

Música: Duo Ouro Negro - Muamba, Banana e Cola

de viagens e outros assuntos #02

(Lisboa) 
Ao almoço com a T, no meio da conversa, surge a million dollar question
- Aceitarias mudar-te para lá? 
Dei por mim a responder sem pestanejar a palavra SIM. 

Fica mais complicado ir à Madeira, pois fica. 
Mas, se falarmos de pessoas, o que me prende cá em Portugal Continental é um pouco menos do que o que me prende na Madeira. 
E, se falarmos de satisfação profissional o que me prende cá é muito mais do que o que me prende na Madeira. E se eu em Angola consigo sentir-me realizada profissionalmente, porque não mudar de casa?  ;)
Tirei o curso e trabalhei em Coimbra. Nos últimos cinco anos trabalho em Lisboa apesar de já ter estado num projecto no Porto durante um ano, nesse ano só vinha a Lisboa aos fins-de-semana. Agora tenho Angola.  A minha constante é a ilha.

de viagens e outros assuntos #01

(Lisboa)
Check-in online feito! 
Ao almoço vou ter com a T. para receber uns livros para uma biblioteca de Luanda. 
Levo roupa para dar. 
Engraçado como a minha prioridade ao fazer a mala mudou. Há dois meses atrás preocupei-me com a roupa do trabalho, a da noite, a de fim-de-semana, yada yada. Nestes últimos dias preocupei-me com a qualidade da selecção de roupas que fiz aqui e na Madeira para levar e doar lá. Desta vez não tive tempo para fazer recolha de roupa para nenhum orfanato. Esse será o objectivo da próxima ida. 
A mala está quase pronta. É só uma semana!  Regresso já na noite de sexta para sábado.

Muitos itens que antes considerava-os indispensáveis hoje considero-os fúteis e já não têm espaço na minha mala. 
O fim-de-semana passado quando fui à Madeira só levei a roupa do corpo, a escova de dentes, o desodorizante e o creme facial. Não levei alternativas a nível de roupa, disse a mim mesma que tinha que optar apenas entre os trapitos das 3 gavetas ocupadas por mim na casa dos meus pais.  E não andei nua nem mal vestida. :)

They say it has no memory #08

(Lisboa e fazendo a mala para passar a semana em Luanda)

Prime Minister: Whenever I get gloomy with the state of the world, I think about the arrivals gate at Heathrow Airport. General opinion's starting to make out that we live in a world of hatred and greed, but I don't see that. It seems to me that love is everywhere. Often, it's not particularly dignified or newsworthy, but it's always there - fathers and sons, mothers and daughters, husbands and wives, boyfriends, girlfriends, old friends. When the planes hit the Twin Towers, as far as I know, none of the phone calls from the people on board were messages of hate or revenge - they were all messages of love. If you look for it, I've got a sneaking suspicion... love actually is all around.  
from movie: Love Actually

Já não sei o que é chegar ao destino e ter aquele abraço.

IT crowd

(Lisboa) 
Jantar não com os suspeitos do costume mas com suspeitos que podem se tornar usuais. Bowling. Dois strikes. 63 pontos no total. Não estou em forma. Temos que repetir. :) 

"They´re just moments. They´re not life…" #10

(Lisboa)
Quando era mais nova o dia de hoje era o dia da cidade
Quando era ainda mais nova o dia de hoje significava uma ida à praia com o meu pai enquanto a minha mãe ficava a trabalhar.
memórias da patxocas
Autor da fotografia: Paulo Camacho
Ver mais aqui.

Divagações #03

(Lisboa)

Às vezes acho que falo demais. Que não devia dizer o que penso, que não devo sequer realçar o que sinto. Essa sensacção aconteceu-me minutos antes de ver esta imagem.

Smile of the day #11

(Lisboa)

Filme: Letters to Juliet

(Lisboa)
Em Angola mal vi TV e não fui ao cinema. Antes de lá voltar, mesmo que seja só por uma semana e tendo em conta o facto de estarmos na silly season e eu ainda nem ter lido um chick lit e nem visto um filme semelhante, decidi ir hoje ao cinema. Saio a correr do ginásio onde tive aula de kickboxing e meto-me na sala onde só vejo casais da idade dos meus pais e até mais velhos.  
O filme é leve e até cómico e deu-me umas saudades enormes de Itália. 



Charlie: I would have grabbed her from that blasted balcony and been done with it. 

Existem seres que estão destinados a estar juntos? Existe aquela alma gémea de que tanto falam? Existe a cara metade que tanto andamos à procura? Existe a complementaridade? Duas pessoas que se completam apesar das divergências. Duas pessoas que com educações diferentes e com gostos diferentes se identificam uma com a outra. A sensação de que se conhecem toda a vida depois de apenas umas horas de conversa. A vontade de querer estar com essa pessoa todos os segundos, ... minutos da existência de ambas. A vontade de fazer de tudo só para conseguirmos estar um par de horas com outra pessoa. 
E ... o rirem do mesmo! ... o ficarem tristes em conjunto! ... a preocupação com o outro! ... as bocas sobre o saber ouvir e o saber o que querer! ... a partilha de informação! ... os discursos sobre os passatempos! ... a espontaneidade do primeiro beijo! ... o receio do dia seguinte! ... o medo de partilhar a vida com alguém que nos faz verdadeiramente feliz!
Isso tudo é o que faz uma história de amor. 
E eu já tinha saudades de ver uma história destas no cinema. :)

Soltas #11

(Lisboa)
"As fotografias enganam o tempo suspendendo-o num pedaço de papel onde a alma não cabe"
Eva Luna de Isabel Allende
Dados da foto:
Autor:eu.
Data: 18-Agosto-2005
Funchal, Madeira (a única vez que andei de teleférico)

When expectations aligns with reality #02

Três aviões: dois A321 e um A319.
Duas aterragens na Madeira. Uma falhada pelo vôo TP1693. Uma realizada com sucesso pelo vôo TP1609
Duas aterragens em Lisboa. Após não ter conseguido aterrar, o vôo TP1693 regressou à origem. O TP1602 às 07h30m da manhã de segunda-feira.
Uma dormida não planeada em casa de Lisboa na noite de sexta para sábado.
Dois almoços. Um a dois e outro com quase trinta pessoas.
Um café com a I. no Estreito. 
Outro café acompanhado com uma água com gás com dois amigos na zona do Lagar.
Um jantar em casa de um irmão da S..
Mil e uma palavras trocadas com a D.
Um algodão doce partilhado com os sobrinhos.
Um colinho dado à sobrinha
Três irmãos a jogar à bisca contra o pai, o irmão mais novo e uma cunhada.
5,3% vol de álcool por cada Coral, que perdi a conta, e que bebi com os manos a jogar à bisca.
Os seis pontos que fiz na sueca italiana depois do meu pai ir para a cama.
Dois bolos do caco com os manos quando eram já quase três da manhã. 
Um mergulho no mar pelas 11 da manhã de domingo.
Dois copos de champanhe pelo pai da S.
Duas ponchas com a S. e a O. 
Três copos de vinho tratado com a M., a O. e a S.
360 graus de discursos com a mãe.
O 1-2 do clube do meu pai perante o meu clube de coração! 
Uma travagem brusca com o carro, que ia a 100km/h na estrada regional só porque eu queria chegar ao destino às 23h em ponto. 
Uma nikita sem álcool ao som das badaladas das 00h00 de domingo para segunda!
Apaguei a luz do meu quarto pelas duas da manhã.
Estava às 05h00 no aeroporto.
E foi assim o meu fim-de-semana...em números.


Dados da foto:
Autor: eu
Data: 16-Agosto-2010
Aeroporto Internacional da Madeira

Porque os sábados são como os Natais #07

(Lisboa)
Já desejei a morte de alguém!
Já desejei que todo o mal do mundo acontecesse a alguém!
Desejo que esse alguém esteja muito feliz!

Consequências de viajar para Angola #01

(Lisboa)
O Mephaquin está a dar cabo de mim! 
Hoje tomei aquele que seria o último comprimido referente à viagem passada e o primeiro da próxima.
Uma hora depois, estava a vomitar! Depois das famosas enxaquecas, nas últimas semanas só sentia dores musculares, mas hoje foi horrível. O meu estomágo, as dores de cabeça, os vómitos e as dores musculares fizeram com que fosse às urgências. E que me diz o médico? Que tenho sorte em não ter alucinações e vertigens! Frak. 
Irei ter todos os efeitos secundários que o medicamento pode causar?
Este medicamento está a estragar o meu organismo e a minha energia.

Musicoterapia: Rococo

De volta a Lisboa e ao som daquela música que nos conquistou logo.

Música: Arcade Fire - Rococo

They say it has no memory #07

(Estreito de Câmara de Lobos, Madeira)
"I wish I was as fortunate, as fortunate as me"
from music WhishList by Pearl Jam
Não me lembro de ter desejos irrealistas.

"They´re just moments. They´re not life…" #09


(Estreito de Câmara de Lobos, Madeira)
Dufresne: That's the beauty of music. They can't get that from you ... Haven't you ever felt that way about music? 
Red: I played a mean harmonica as a younger man. Lost interest in it though. Didn't make much sense in here.
Dufresne: Here's where it makes the most sense. You need it so you don't forget. 
Red: Forget? 
Dufresne: Forget that... there are places in this world that aren't made out of stone. That there's something inside ... that they can't get to, that they can't touch. That's yours. 
from the movie: The Shawshank Redemption 

Autor da Foto: Bruno Santos (meu grande amigo pessoal)
Ver mais aqui.

V de Volta

O vôo TP1693 que saiu ontem, sexta-feira 13, de Lisboa não conseguiu aterrar no Aeroporto Internacional da Madeira. 
Pela primeira vez tive a sensação de que o avião não iria conseguir aterrar. Senti isso mal o avião fez a curva em Santa Cruz. A famosa curva que ainda proporcionou-me a vista desagradável de um grande incêndio. 
O avião que fez a viagem é um A321 de nome Pêro Vaz de Caminha. Fez a aproximação à pista como se de um comboio pendular se tratasse. O piloto acelerava desnecessariamente. O nariz do avião, acho que ainda se fez à pista, mas o trem de aterragem nunca lá tocaria. Não do meu ponto de vista.
Não sou nenhuma expert. Não tenho medo e até, chamem-me masoquista, adorei a adrenalina do perigo, mas tenho quase a certeza que a culpa foi do piloto. Acho que enervou-se e até deixou-se influenciar por umas passageiras que à mínima turbulência gritaram. 
Eu gostei da adrenalina. Mantive-me a olhar pela janela e a apreciar o momento. A rapariga que ia ao meu lado perguntou-me como é que eu podia estar tão calma e a sorrir. Respondi-lhe que não tenho os medos que muita gente tem e que são situações como esta que nos fazem dar mais valor à vida e a pequenos momentos. Que a vida escorre entre as nossas mãos e que num instante ela é capaz de desaparecer. 
Eu ia para a Madeira com intenções de viver o momento. Viver o momento mesmo que signifique viver no perigo e fazer planos para o dia seguinte que poderão não se concretizar. E como é complicado viver o momento! 


Os planos mantêm-se! 
Vou tentar ir no vôo das 7h20m da manhã. Se mais uma vez o avião borregar - palavra nova que aprendi - não irei despedir-me dos que mais gosto antes de voltar a Angola. Talvez não esteja escrito ou talvez as nossas acções para estarmos perto de quem queremos estejam a ser monitorizadas e controladas por alguém superior que nos separa. 

Os contra são contornáveis

Quando a saudade aperta depois de tão pouco tempo!
Quando estamos a tratar dos papéis para um novo Visto ordinário.
Quando nos arrependemos de não ter ido a casa antes de passar um mês em Angola. 
Quando queremos mesmo viver e não esquecer ninguém nem deixar nada para resolver!
Vamos de fim-de-semana à ilha. :)
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 01-Agosto-2010
Estreito de Câmara de Lobos, Ilha da Madeira

A pair of mirrors that Are facing one another Out in both directions

É sexta-feira, 13!
É sexta-feira, 13!
Para quem não acredita na sorte ou no azar é uma sexta igual às outras!

É sexta-feira, 13!
E dentro de dois dias, a minha sobrinha, filha do meu irmão N. comemora 1 mês.
É sexta-feira, 13! 
E eu continuo sem acreditar em coincidências. Acredito em acções. 
É sexta-feira, 13! 
E o meu destino é traçado todos os dias pelos actos de terceiros e pela minha reacção a eles.
É sexta-feira, 13! 
E eu não vou jogar no euro-milhões.
É sexta-feira, 13! 
E eu tenho dias em que tomo decisões como quem joga na lotaria.
É sexta-feira, 13! 
E eu, esta noite, não vi um único meteoro. 
É sexta-feira, 13! 
E eu, esta noite, vi o céu igual a todas as outras noites
É sexta-feira, 13! 
E eu voltei a ter insónias!
É sexta-feira, 13! 
E eu sei que regresso a Angola dentro de 10 dias. 
É sexta-feira, 13!
E amanhã por esta hora estou novamente na Madeira.

Música: Vampire Weekend - White Sky (ver vídeo)

Smile of the day #10

Soltas #10

(Lisboa)
"Os homens como nós, que trabalham nas herdades, são os camaradas mais solitários do Mundo. Não têm família. Não pertencem a nenhum lugar. "
Ratos e Homens de John Steinbeck 
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 31-Julho-2010
Machico, Ilha da Madeira

Porque os sábados são como os Natais! #06

Na madrugada da passada quarta-feira, quando o meu pai e eu iámos no carro a caminho do aeroporto da Madeira fomos mandados parar por uma operação STOP. Uma operação STOP às 4h30m da manhã no Estreito de Câmara de Lobos. E a primeira coisa que o polícia pergunta ao meu pai é se ele bebeu álcool. Eu ia a comer uma maça e até cospi... e disse rapidamente, o meu pai não bebe álcool há 18 anos e 1 mês!
O meu pai olhou para mim com aquele ar cúmplice e disse: "pois é, filha, e tu tens carta de condução há 15 anos e 1 mês ... e amanhã faz 42 anos que conheci a tua mãe, foi no domingo do senhor em Câmara de Lobos" (*)...
...
O meu pai lembra-se de pormenores adoráveis. O meu pai é carinhoso e dedicado... E depois condenam-me por não querer menos do que alguém com as qualidades do meu pai! 
Sofro do complexo de Electra? Talvez.
Apesar do meu pai ser do Benfica e, sempre que digo que vou abastecer o carro, ele lembrar-me que devo usar esta coisa da foto e ir à Repsol:
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 2-Agosto-2010
Cartão de Sócio do meu pai

(*) Eu andei estes anos todos a pensar que os meus pais tinham se conhecido em Janeiro, na festa de São Sebastião. Pelos vistos é a minha mãe que não se lembra bem das datas.

Musicoterapia: You could be happy

Aquela música que nos lembrava um filme.
Aquela música que não nos dizia practicamente nada.... 
Aquela música que hoje diz-nos muito! 

You could be happy, I hope you are
You made me happier than I'd been by far


Música: Musicoterapia - You could be happy

Filme: The Ghost Writer

(Lisboa)
Robert Rycart: They can't drown two ghost writers. You're not kittens!  

Devo andar a escolher os filmes que vejo no cinema a dedo, porque resumindo em duas palavras este é um grande filme
Quando a esmola é grande o pobre desconfia. Se nos pagam demasiado bem para uma tarefa que à partida parece simples não será porque o risco que a envolve é grande? Escrever a biografia de um ex-Primeiro Ministro envolve algum risco. Ter que assinar um contrato de confidencialidade significa que o risco afinal pode ser maior. Saber pormenores sórdidos do passado de alguém é um fardo. Saber que esses pormenores envolvem mistério, outras histórias por detrás da verdadeira história, a verdade não é o que parece, a teia dos factos, dos actos, das consequências é interminável. O criminoso parece ser mesmo o mauzão e o cabecilha de tanto terror ...ou então é um excelente actor. E quando achamos que a história acaba assim, eis que nos surge toda a verdade e a vítima de repente é a criminosa.
Muito bom, o filme.


P.S. - numa cena do fim dei por mim a pensar: is Sam going to fuck a Jedi master? 
Sou tão parva! :)

They say it has no memory #06

(Lisboa)
Gimme a ticket for an aeroplane / Ain't got time to take a fast train / Lonely days are gone, I'm a-goin' home / My baby, just-a wrote me a letter 

Já não sei o que é receber uma carta em papel... manuscrita e com desenhos!
Como quando recebia quando estava na Universidade. 

Dados da foto:
Autor: eu
Data: 31-Julho-2010
Machico, Ilha da Madeira

Girly stuff

Se antes queria estes sapatos para o casamento que tenho em Setembro. Hoje mudei de ideias, depois de comprar o vestido 'mai lindo' na Morgan de toi!  Agora acho que os sapatinhos que ficam a matar com o vestido são uns Louboutin simples. 

























Ninguém vai a Barcelona nos próximos dias, pois não? Só preciso de um par destes número 35/36! Caso contrário vou ter que procurar algo semelhante por cá, não é? :(

P.S. - Para a despedida de solteira o traje já é mais informal e levo um vestidinho de verão com as fly london todo-o-terreno.

Body Jam #02

Passei um mês sem uma única aula de Body Jam!
Antes de ir para Angola já se falava da apresentação da coreografia #53 mas não assisti à demonstração.
Esta semana regressei à rotina normal, ao meu dia-a-dia... e nas aulas de Body Jam dei comigo completamente descoordenada e KO, afinal foi um mês sem dançar... sem um copo na mão. :$
As músicas desta coreografia são muito energéticas e cheias de ritmo e dão cabo de qualquer um. A sério! Se quiserem saber a listagem das música que me têm deixado KO cliquem aqui. Hoje foi a minha segunda aula com esta coreografia e nos balneários comentaram comigo que quem já a faz há 3 semanas ainda não a conseguiu fazer a 100%. Está super rápida e cheia de energia!  Dá pica. :)
Deixo-vos só um excerto da coreografia. 
que por acaso é das partes mais fáceis do todo. Por incrível que pareça. :)

Filme: Requiem for a Dream (2000)



Vi este filme fechada no meu quarto lá na ilha e é dos filmes mais provocantes que já vi. Dos que mais me chocou e atingiu!
A história. O vício, o sonho, a solidão, a amizade, o amor, a tristeza, o desânimo, a tristeza, o dinheiro, a dor, a loucura. E a banda sonora.. a música! As personagens!
O fim... aquele fim!!! 
Sem palavras. A sério!

Super-poderes


A Kelle diz que:
Se pudessem escolher UM super-poder  qual escolheriam?
- Voar como o super-homem.

- Usavam-no para quê?

- Para poder deslocar-me rapidamente até aos locais onde estão as pessoas que me fazem feliz.

- Acham que davam um melhor super-herói ou super-vilão?

- Uma super-heroina. Sou altruísta por natureza, não o deixaria de ser por ter poderes.

E como eu tenho o super-poder de quebrar correntes, atribuo o selo a quem quiser aceitar. :)

"They´re just moments. They´re not life…" #08


"Or maybe the happy ending is this, knowing after all the unreturned phone calls, broken-hearts, through the blunders and misread signals, through all the pain and embarrassment you never gave up hope".
from the movie: He's Just Not That Into You
Autor da Fotografia: Gregory Colbert
Mais aqui.

When expectations aligns with reality #01

Muitas vezes criamos expectactivas e queremos muito que algo aconteça e isso não acontece e ficamos com o estómago apertado. O Filme 500 days of summer é genial nisso e um excelente exemplo do alinhamento das nossas expectativas com a realidade.
As expectactivas desiludem-nos, mas depressa acordamos e lembramo-nos que a idade já é mesmo um posto e que conseguimos lidar bem com a tristeza e que a expectativa não passa disso... de um sonho na escuridão.

Por detrás da escuridão e quando menos esperamos a realidade surpreende-nos e oferece-nos assim, num tupperware, um dos melhores momentos das nossas mini-férias!
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 31-Julho-2010
Machico, Ilha da Madeira

Smile of the day #09

Not so comic! 
Nas mini-férias, ia eu a conduzir e pedi ao meu irmão mais novo para escrever uma sms e sem querer dei por mim a ditar a palavra "que". :(

Soltas #09

(Lisboa)
"O amigo, assim como o namorado, não espera recompensa pelos seus sentimentos. Não quer contrapartidas, não considera a pessoa que escolheu para ser seu amigo como uma criatura irreal, conhece os seus defeitos e assim o aceita, com todas as suas consequências. Isso seria o ideal. E na verdade, vale a pena viver, ser homem, sem esse ideal? E se um amigo falha, porque não é um verdadeiro amigo, podemos acusá-lo, culpando o seu carácter, a sua fraqueza? Quando vale aquela amizade, em que só amamos o outro pela sua virtude, fidelidade e perseverança? Quanto vale qualquer afecto que espera recompensa? Não seria nosso dever aceitar o amigo infiel da mesma maneira que o amigo abnegado e fiel? Não seria isso o verdadeiro conteúdo de todas as relações humanas, esse altruísmo que não quer nada nem espera nada, absolutamente nada do outro? E quanto mais dá, menos espera em troca?(…)Vês, dediquei-me a essas questões teóricas quando fiquei sozinho. Naturalmente, a solidão não me deu resposta. Nem os livros deram resposta perfeita. Nem os livros antigos, os estudos dos pensadores chineses, hebreus e latinos, nem os modernos que falam sem rodeios, mas dizem sobretudo palavras e não a verdade.”
As velas ardem até ao fim de Sándor Márai
Dados da foto:
Autor: eu
Data: 31-Julho-2010
Machico, Ilha da Madeira

Sons of Anarchy - Season 3

(Lisboa)  Post original do cantinho das artes. 
Setembro é mês de regresso das melhores séries dos últimos tempos. Dexter  e Fringe são duas delas. Sons of Anarchy é outra. E regressa para uma explosiva e intensa 3ª temporada...
Já estou cheia de saudades do Opie. :)