I have begun to ask for you, I who have no need

A minha avó sempre disse que o meu pai nasceu numa sexta-feira, 13.
O meu avô, com a bebedeira, dizem, foi ao registo e declarou-o como nascido a 15.

Embora muita gente pense que o meu pai é natural do Estreito, o meu pai é natural de Câmara de Lobos, é filho de um pescador de olhos castanho esverdeados e de uma doméstica linda de olhos azuis.

O meu pai, esta semana, celebrou 60 anos, 2 dias antes do dia que indica o cartão de cidadão. Não houve bolo, nesse aspecto sempre fomos iguais. O meu pai gosta de comemorar outras datas: a data em que conheceu a minha mãe; o dia em que regressou do ultramar; o dia do casamento; e os dias de nascimento dos filhos que é a chave do totoloto dele. :)

O meu pai é a pessoa em que mais confio neste mundo. É um poço de desejos e segredos, não denuncia nada nem ninguém. É de uma sabedoria e de uma moral que dá inveja. Tem força para encarar a doença da minha mãe com a sua frase preferida: tudo se resolve. O meu pai é a minha companhia, sempre que estou na Madeira, na ida ao café da esquina para tomarmos a bica depois do almoço. O meu pai não parece ter 60 anos, acho que só lhe dão a idade que tem porque sabem que tem uma filha velha como eu. :)

O meu pai só tem um defeito. É benfiquista ferrenho, é daqueles benfiquistas que irritam profundamente por saber a história toda do clube, nomes de treinadores, jogadores, datas de títulos, penaltís falhados, etc...
é pena. :)


Música: Leonard Cohen - Avalanche (ver vídeo)