Silence is Golden #87


Das verdadeiras


You can't take a picture of this. It's already gone #10

Aeroporto de Lisboa (21 de Dezembro)

Noite do Mercado do Estreito de Cª Lobos (22 de Dezembro)
Missa do Parto na Ponta Delgada (Madrugada de 23 de Dezembro)
Declaração anual de falência (25 de Dezembro)

Jantar e troca de prendas, estabelecido em 198x (27 de Dezembro)

Quadro na parede da casa da anfitriã deste ano (27 de Dezembro)

Típico Dia de Inverno em Câmara de Lobos (28 de Dezembro)

Típica Noite de Inverno em Câmara de Lobos (28 de Dezembro)

O próximo Natal


Colocado hoje em cima da mesa:

Natal 2013 poderá ser longe da ilha. 



Natal 2012


Foi diferente. 

O impacto da ausência de pessoas importantes sentiu-se. 



O problema do Kindle é:




Fonte da imagem: Cyanide and Happiness.

de 2012




2012 é um número para recordar, com a lágrima no canto do olho e um sorriso triste. 

Foi uma grande prova de obstáculos, dia a dia, desde o início do ano até ao dia de hoje.
Quando tudo parecia melhorar, algo acontecia. 
Quando pensava que tinha esgotado a lista de coisas más que poderiam acontecer, acontecia sempre algo.
Aos planos feitos alterei tudo, tudo. Tudo acabou por ajudar a cancelar ou a alterar os planos para o futuro.
E mesmo assim, para esse, para o futuro, a previsão é muito nevoeiro com alguma precipitação vinda do meu lado optimista. 




Earphone's on. Reality off #214

Monthy Python - It's Christmas In Heaven


E com esta música termino o desafio de 2012: 
- um post de uma música diferente por cada dia de trabalho.
Espero que tenham gostado. 

Earphone's on. Reality off #213

On a Christmas day, early in the beginning of this century
Down the road and there, I saw many sights that day

Searching for the perfect present to give my love
Knocking on every shopkeeper's door
Please produce a product worth buying my love
A gift to show how I care for her
To prove my emotions are real this time
So she knows next Christmas will be grand as well

It was later that afternoon, the sun had gone down
A little bet that I had knocked on just the right store door
A little man, with a little snub of hair, 
Came to the handle and turned it, and opened it and
Asked if I would enter, and purchase what I would
Well were it was perfect, but just a little bit good

I went to the rear, where the glass case was,
Not very full, not overfull that is
There was just a small jewel colored rouge
I said "How much for that red little jewel there? 
I think it's just the perfect communicative gift,
To show that I care (absolutely!) a great deal"

Its eight hundred and seventy three dollars, that's the problem, 
I didn't have that much money, not on me at least
So I ran out the door and I ran down the road,
To the bank to withdraw some more cash money
I was sure that I had enough, I took it all out 
And returned to the store to purchase the rouge diamond for my love

Alas, I was out of cash, besides the diamond was just glass
The diamond was just glass

The diamond was just glass
The diamond was just glass
The diamond was just glass 

Arcade Fire - A very arcade xmas

Earphone's on. Reality off #212

This time of year you always disappear
You tell me not to call
You tell me not to call
And when the door is closed you're wearing different clothes
Or hiding in the paper, pretending not to hear

Inexpensive wine
I buy it all the time
You tell me take it back
You say you'll take a nap
But I can see it now 
You always tell me how 
I could do so much better 
You said it in your letter

Did I make you cry
On Christmas day?
Did I let you down
Like every other day?

Did I make you cry
On Christmas day?
Did I let you down
On Christmas day?

The bed that isn't made
The broken window shade
The radiator's on
I loved you along
But I can see it now
You always tell me how
I could do so much better
You said it in your letter

I stay awake at night
After we have a fight
I'm writing poems about you
And they aren't very nice
I didn't mean to yell
I said I couldn't tell
I only grabbed your wrist
Or would you rather we kissed?

Did I make you cry 
On Christmas day?
Did I make you cry
Like every other day?
Did I make you cry
On Christmas day?
Did I make you cry?

Sufjan Stevens – Did I Make You Cry on Christmas Day? (Well, You Deserved It!)

Quando o marketing não engana


Surpreendem-nos com esta barra de cereais,do Pingo Doce, que sabe mesmo a chá de manga. 
Muito boa. 


(já não fazia um post completamente fútil e inútil há algum tempo :) ) 

Earphone's on. Reality off #211

Dear Santa,

I’m writing you a letter,
I’m sure you've got it all figured out.
Things haven’t been easy
Between me and you,
I guess that there are things that you can’t undo

Maybe I was naughty once but now I’m nice!

(Boy you made the list, you know I checked it twice. 
Well guess what, you're still on it! Hahaha!)

And I feel it in my bones
And I feel it in my bones

Nights have been restless,
Pillows and sheets.
Bet you got it all figured out.
I sweat like a snowman out in the sun,
Dreaming that there ain't nowhere to run to, baby
Nowhere to hide.

Hey, Kringle!
You mean to say when you were young, you never got wild?
Kid, don’t you get it?
I’m gonna make an example out of you for every mother’s child

And I feel it in my bones
(I’m coming for you)
And I feel it in my bones

Silver bells and reigns
Tinsel, holly.
What happened to the rose red cheeks,
Chimney, big bag presents and all,
Fat and jolly,
Tinsel holly.

And I feel it in my bones
And I feel it in my bones
And I feel it in my bones
And I feel it in my bones

The Killers - I Feel It In My Bones ft. Ryan Pardey

A razão do RealityOff


Li o ano passado que devemos ter desafios que nos permita desafiar-nos diariamente.
Quando li achei engraçado, pois nada melhor que o trabalho, especialmente no projecto onde estava, seria mais desafiante.
No entanto, achei que conseguiria ir mais longe e neste ano de 2012 desafiei-me a colocar um post musical por cada dia de trabalho.
Consegui.
O desafio acaba na próxima quinta-feira, dia 20 de Dezembro.
Espero que tenham gostado e gostem das sugestões de músicas de Natal que vou colocar esta semana. 




Para o ano, decidi ter uma desafio ainda mais aliciante, 365 dias de fotos.
Se para o ano acharem-me muito mais cinzenta que este ano, digo desde já que a culpa é de 2012 que não foi nada simpático comigo e de 2013 que será um ano de muitos desafios. 


Filme: Romantics Anonymous (2010)


Sobre chocolate, sobre românticos incuráveis que até têm grupo de apoio, com uma banda sonora deliciosa, e falado na língua mais sensual do mundo - francês - este filme é um grande mimo ao cérebro e ao coração, numa tarde chuvosa de domingo. 


Angélique Delange: I'm sorry but it won't work. I love you and I know you love me. But it's a recipe for disaster. We'll get to know each other, warts and all. We'll annoy each other, stop communicating, and end up hating each other. I don't want that. We're both emotional.It's a recipe for disaster. We're not strong enough. We understand each other, only too well. We'll pull each other down like two people drowning. Our struggling will only make us sink faster.I don't want to sink. Or drown, even with you. So... we should stop now.

Silence is Golden #86


Dos abraços


Se existe algo mais insuportável de aguentar é um abraço quando a dor nos invade. 
Quando perdemos alguém que amamos do fundo do coração e com todas as nossas forças, queremos, e falo por mim, isolamento. 

Nada de beijos e abraços! 

Por favor, a hipocrisia de tentar substituir o abraço de alguém que foi o nosso criador torna, só em si, o acto um grande chumbo na boa intenção. 

Um dos meus pilares, cá em Portugal Continental, acabou de perder o Pai. Na sexta-feira passada falamos sobre a doença e o optimismo. Ela, tal como eu, é também a filha mais velha. (Muita coisa aguenta o filho mais velho...)

O Pai dela foi diagnosticado com cancro do Pulmão em Abril de 2012.
Disse-lhe que se mantivesse o optimismo e desse muito amor conseguiria prolongar a vida de quem ama, ignorar os prognósticos dos médicos e viver com o seu criador como se cada dia fosse o último.
Ela sorria, não acreditava... não acreditou. 

Eu acreditei!
Eu acredito!
Eu acredito que dando amor, mostrando que estamos ali por eles, para eles e ... graças a eles, eles arranjam forças e conseguem prolongar a nossa esperança.

À minha mãe foi dado, no máximo, 6 meses de vida em ... Março de 2011. Faleceu a 2 de Novembro de 2012, ... na minha presença. 

E eu arrependo-me de NÃO ter estado mais tempo... com ela, e feito mais por ela. 




Filme: La Chance de Ma Vie (2011)



Filme super cómico, já o vi há imenso tempo (graças ao meu fornecedor francês aka irmão) e que só estreou... pasmem-se, hoje em Portugal. 


Num filme hilariante, e de sorrir a pedir por mais cenas cómicas em que o amor parece que vence, temos a histórias de Julien que não tem sorte nenhuma com mulheres, tendo até lembranças desastrosas e cómicas de todos os seus relacionamentos. Por ironia do destino, Julien é conselheiro matrimonial, e após desistir de encontrar o verdadeiro amor, conhece Joanna. Joanna é bonita, sexy e ... sua cliente.

A ver. 

Earphone's on. Reality off #209


Postiljonen - Dit bara drömmar når

Earphone's on. Reality off #207

Little Scream - Guyegaros

Filme: Amour (2012)



É um filme sobre o Amor

E talvez aquele filme que retrata o Amor como sempre assisti no percurso da história dos meus pais e aquele com que sempre sonhei.... o sincero, humilde. 

Se estiverem indecisos entre os filmes que estão nas várias salas de cinema, escolham este. Não vão se arrepender. 

Earphone's on. Reality off #206



Hoje seria o aniversário da minha mãe. 
Cada vez que choro, gosto de pensar que, se ela visse o meu estado, estas seriam as suas palavras:

Pomplamoose - The Goodbye Song

Silence is Golden #84


10 de Dezembro



O ano passado foi assim






Imagem do filme One True Thing (1998).

Documentário: Jiro Dreams of Sushi (2011)





Documentário sobre um sushi chef que aos 85 anos, e com uma vida dedicada ao seu restaurante, de apenas 10 lugares, continua a procurar a perfeição no detalhe do sushi que prepara. A sua dedicação é tal que, Jiro considera que as três estrelas Michelin são apenas um pequeno reconhecimento da sua paixão pela sua profissão.
Obrigatório ver, para os amantes de sushi e para aqueles que acreditam que para fazer bem o que se faz, e não ficar cansado, temos mesmo que gostar do que fazemos. 


Shrimp Dealer: These days the first thing people want is an easy job. Then, they want lots of free time. And then, they want lots of money. But they aren't thinking of building their skills. When you work at a place like Jiro's, you are committing to a trade for life.

Filme: Detachment (2011)




Filme super interessante e de grande qualidade sobre o papel dos professores substitutos e do impacto que a vida nómada que levam, tem influência neles próprios.
Para mim é dos filmes mais deprimentes do ano, mas mesmo assim, é um filme a não perder.
Adrien Brody está fantástico no papel.


Mr. Barthes: What is that mean (Assimilation)?
Student: To take something in.
Mr. Barthes: Okay, excellent. To absorb. Anyone (ubiquitous)?
Student: Everywhere, all the time.
Mr. Barthes: So what is, obiquitous-assimilation?
George: Always absorbing everything everywhere all the time.
Mr. Barthes: Well done, George. How are you to imagine anything, if the images are always provided for you?


Filme: Blue Like Jazz (2012)




Filme com uma história simples e engraçada sobre um miúdo que no primeiro ano de Universidade, e na tentativa de fugir da mãe protectora e de se enquadrar no novo ambiente, esconde a sua religião acabando por encontrar ... fé... 

Donald Miller: My dad says life is like jazz because it doesn't resolve... But what if we're not alone?... What if all these stars are notes on a page of music, swirling in the blue... like jazz..


Music is Love in search of a word #36

Sigur Rós - Dauðalogn
Sigur Rós - Varúð


Sigur Rós - Ekki múkk

Filme: Take This Waltz (2011)



Por vezes procuramos sempre alguém que nos queira manter vivos, ou  que nos faça sentir vivos e felizes. A maturidade para perceber que a felicidade é instantânea chega sempre tarde demais, sempre depois de cometer aquela acção que não queríamos ter ou porque tínhamos medo de a cometer. 
Com uma excelente banda sonora e uma fabulosa história, este filme é recomendado a todos os que acreditam que não existe happily ever after...
Daniel: (...) I love you. 
Margot: (laughs) I have to leave. One thing. 
Daniel: Yes? 
Margot: Because none of this is actually going to happen. Can I make an appointment with you? 
Daniel: What kind of appointment?
Margot: I'dd like to make a date to kiss you. 
Daniel: My schedule is very flexible.
Margot: in 30 years? 
Daniel: 30 years?
Margot: I'dd like to see you in Louisbourg, at the 
Lighthouse, I'dd like to meet there. I'll be 58. I don't know how old you will be.
Daniel: I'll be 59.
Margot: On this date, at 2p.m. Eastern Standard Time, August 5th 2040, I'dd like to kiss you. Until then I'm married. But after thirty-five years of being faithful to my husband, i think i well deserve a kiss from you. 

Porque depois da explosão de emoções e palavras iniciais, vem sempre o silêncio fingidor e constrangedor. Porque o que queremos, mesmo, é continuar a sofrer de verborreia e fazer de todos os dias um dia diferente. 
Doug: Somethings you do in life, they stick. 
Margot: I'm so sorry.
Doug: There's no reason to be sorry. (...) We didn't have this conversation then, and i really don't want to have it now. 

Filme: The Words (2012)



A dificuldade que tive para conseguir este filme é proporcional à beleza dele. Com viagens e a quantidade de assuntos pessoais em que estive envolvida no último mês, dei comigo a assistir à última projecção deste filme numa sala de cinema em Lisboa. 

Com interpretações de dois actores que muito aprecio, Jeremy Irons e Ben Barnes, este filme entrou automaticamente para o meu TOP10 de melhores filmes do ano, a história do filme é inspirado um episódio da vida de Ernest Hemingway, cuja esposa perdeu uma mala que continha alguns dos seus manuscritos numa estação de comboios de Paris.
E que acontece a bens perdidos? Tomamos posse dos mesmos, mesmo quando os compramos numa loja de antiguidades? Podemos trazer a história de desconhecidos para a nossa?


Old man: Do you mind to autograph my copy... 
Rory: Do you have a pen?
Old man: Oh... a writer without a pen?
Rory: It's reading day.
Old man: Oh yes, ... I do have a pen! And I do have a story, a very good story. I know you got this line all the time, you would like the story. I was to tell you the story and you wrote it and then maybe you could give me a little credit. 
Rory: That wouldn't b fair, would it? Have a good day.
Old man: It's about a men who wrote a book and then lost it, and a kid who found it. .... You still here?


Old man: (...) There was one guy in his unit real different from him, an intelectual, a real bookworm, and overtime he became boy's best friend. He lent him some books to read, the firsts book the kid ever read about anything. For the first time he saw a world that was bigger than the one he had been born into and he wanted more. He wanted to be something more.
Rory: a writer.
Old man: ya, but he had no idea what the word really meant. 


Earphone's on. Reality off #205


Logo à noite, no VodafoneMexeFest.

Porque a vida continua... 

alt-J (∆)  - Tessellate

Earphone's on. Reality off #203

The Cinematic Orchestra-The Awakening Of A Woman

Filme: In Search of a Midnight Kiss (2007)





Para quem teve ou está a ter um ano tão mau quanto o meu, há um filme que recomendo a ver, In Search of a Midnight Kiss


O filme decorre ao longo de um dia. 
Wilson é um aspirante a escritor que vive há pouco tempo em Hollywood, e cujos meses de estadia são todos exemplo de decepção, humilhação e solidão. Wilson não tem planos para o último dia do ano, e é pressionado pelo seu colega de casa a colocar um anúncio na internet intitulado "Misanthrope Procura Misanthropee". 
Para grande surpresa de Wilson, poucos minutos depois de ter colocado o anúncio, Wilson recebe um telefonema de uma mulher que o convida para um café.  Ela - Vivian - marca vários outros encontros com outros homens para aquele tarde, porque tal como Wilson não tem companhia para o fim de ano e decidiu passar a noite com o homem que mais gostar dos encontros.  
Nesse encontro, Vivian é agressiva, mas Wilson acha-a engraçada, bonita e até tão perdida quanto ele e convence-a a passar a noite com ele levando-a a conhecer a cidade, de metro. 


Naquilo que parecia um filme previsível com um romance inesperado, assistimos ao nascimento de uma amizade e a história tomar um rumo completamente imprevisível.

Muito Bom e com uma excelente Banda Sonora repleta de música dos Okkervil River e
 Shearwater.

Filme: Another Happy Day (2011)




Fui ver este filme graças a uma recomendação de um amigo. O mesmo amigo que viu comigo Rachel Getting Married, aconselhou-me a ir ver Another Happy Day e achei estranha a recomendação, pois este filme parecia-me ser uma comédia romântica típica da época natalícia. 
E à medida que o filme avançava mais apreciava o filme, e lembrou-me tanto, mas tanto o Rachel Getting Married que deu-me vontade de o rever.

Nas famílias há sempre os críticos, os egoístas, os censurados, os egocêntricos, os problemáticos, os teimosos, os nervosos, ... é normal que na preparação para um convívio familiar, um casamento, muita energia seja libertada e que muitas palavras sejam soltas.

Naquele que é suposto ser o dia mais feliz da vida de um casal, a felicidade acaba por surgir acompanhada, fazendo deste filme aquele que, para mim, tem dos melhores fins, 
com excelente imagem e com música de Nina Simone com Everything must change.
A não perder, numa sala de cinema de Lisboa.  



Elliot: “Last night I didn't sleep as usual and I got to thinking (...) it seams that it has been an enormous drama since we got here and made me think that if came down here for a funeral instead of a wedding, we might actually would be getting along. What base question was that? ... And the only conclusion I came to is that death is actually a more unifying force within family than love. And that’s a mind-blowing concept”


Filme: The Magic of Belle Isle (2012)




Charlotte O'Neil: I always felt like a book is a friend that does no friend can do, stay quiet when you wanna think. 


Filme para ver em família, num longo domingo de chuva.

Livro: L'étrange voyage de Monsieur Daldry


L'étrange voyage de Monsieur Daldry by Marc Levy
My rating: 3 of 5 stars




Sinopse:
"Há duas vidas em ti, Alice. A vida que tu conheces e uma outra que te espera há muito tempo. Estas duas existências não têm nada em comum. O homem de que te falei ontem encontra-se em algum lugar dessa outra vida, e nunca estará presente na vida que levas atualmente. Terás de encontrar seis pessoas antes de chegar até ele. Partir ao encontro dele obrigar-te-á a fazer uma longa viagem. Viagem durante a qual descobrirás que nada daquilo em que acreditavas é verdadeiro."

Londres, 1950
Alice leva uma existência tranquila entre o seu trabalho como criadora de perfumes, que a apaixona, e o seu grupo de amigos, todos eles artistas nas horas vagas. No entanto, na véspera de Natal, a sua vida vai sofrer um abanão. Durante um passeio a uma feira em Brighton, uma vidente prediz que irá viver uma aventura, em busca de um passado misterioso. Alice não acredita nela, mas também não consegue esquecer as suas palavras; subitamente as suas noites passam a ser povoadas de pesadelos, que lhe parecem tão reais como incompreensíveis.
O seu vizinho, o senhor Daldry, um gentleman excêntrico e celibatário empedernido, convence-a a levar a sério a predição da vidente e a encontrar as seis pessoas que a conduzirão ao seu destino.
De Londres a Istambul, Alice e o senhor Daldry partem na sua estranha viagem…


Minha Opinião: 
Apesar de um início prometedor, da descrição de Londres e Istambul serem quase perfeitas e levarem-nos a viajar nas palavras do escritor, detestei o fim. Para mim, o homem que a vidente falou podia ser muito bem o homem que Alice encontrou em Istambul, de nome Rafael.
E ao ler as críticas no goodreads questiono-me, se não houve mais alguém que tenha pensado o mesmo que eu?
Que a personagem principal do livro não era Alice e que o fim do livro é completamente previsível e rápido demais!
Quem é que muda de opinião só ao encontrar um bilhete?
Quem é que perdoa mentira com um beijo?
Só nos finais felizes feitos à pressa. 



Posso dizer que de comovente e profundo este livro poderia ter mais. Adorei a parte inicial, mas depois a parte final, pecou pela urgência em encontrar um fim. 
Dizem que é dos melhores livros de Marc Levy, mas, IMO, fica muito aquém do  Et si c'était vrai...



Earphone's on. Reality off #202



Okkervil River - For Real

Earphone's on. Reality off #201

De volta à rotina lisboeta...


Same stars we shared
all frozen in the sky
while dreaming the same
guilty we are
awaked and aware
of killed and disgrace
what she might dare
picture the sky



Amatorski - Same Stars We Shared

As Voltas da Vida (*)




Sempre detestei ouvir o quanto sou parecida, fisicamente, com a minha mãe. Tive alturas em que evitava a familiarização, evitava ter o percurso que ela teve, evitava a ligação política, evitava dizer quem sou, de modo a que entendessem que eu não era a minha mãe e que eu podia ter valor sem ser parecida com quem fosse. 


Odiava ouvir "és tão parecida com a tua mãe"!  Sentia que não podia ser eu.  
E eu acabei por ser eu, graças a ela e a outros e a tudo acima, sendo ou não parecida fisicamente com ela, eu sou eu e não ela. 

A curiosidade é que nas últimas semanas, essa parecença tem-me sido útil. Extremamente útil.  E até têm me facilitado imenso a vida. O reconhecimento que a minha mãe teve entre os seus pares é impressionante e arrependo-me de um dia ter achado que ser parecida com ela era mau.

Chego aos recursos humanos da empresa onde ela trabalhava, informo para o que vou, e dizem-me logo: "é da F. ? é parecida com ela". 

Chego às finanças, senha, número, chamada, explicação... vão buscar o processo da minha avó materna e tios, e dizem logo: "como está a sua tia T. ? é parecida com ela" 
Mas, o que mais me assustou foi uma senhora chegar ao pé de mim, começar a chorar e eu não sabia o que fazer, a senhora não falava e eu não sabia o que dizer, até que a senhora começou a falar sobre a minha mãe. 

Aí percebi que por mais que tenha tentado no passado, por mais que tente, por mais que faça, eu estarei sempre associada à minha mãe, não só pelo laço maternal que nos unia mas pela semelhança física. 




(*) inspirado no filme que vi ontem à noite, quase sozinha, numa sala de cinema da ilha da Madeira, "Trouble With The Curve".

Nota: Estou a trabalhar, remotamente e até final do mês, a partir da ilha. Após a morte de alguém, há muita burocracia para tratar... 






Earphone's on. Reality off #195

Apaixonada por esta banda Belga. 

Isbells - Baskin'

Dos Ginásios



Em Lisboa frequento dois ginásios da cadeia Holmes Place, um que é perto de casa e um a que costumo ir às aulas de PowerJump, com uma colega  porque o horário é-me mais conveniente.

Esta semana, fui quase todos os dias ao ginásio Holmes Place cá na ilha, e encontrei imensas diferenças entre este ginásio e os outros. 

E deixo aqui as minhas observações, negativas. 
1 - Caro professor de BodyCombat, eu vou à aula para me divertir e ganhar resistência e flexibilidade, não para ser um Chuck Norris. Por isso, fale mais baixo quando pedir ao microfone por suor e sangue, ou melhor, não berre.
2- Caros funcionários da limpeza dos estúdios, lamento que na Madeira não tenham ensinado boas maneiras aos utilizadores dos estúdios e que vocês tenham que arrumar o colchão e o trampolim após as aulas. Eu sempre fui ensinada a arrumar o que desarrumo, e fiquei assim para o triste quando peguei no meu colchão, após os alongamentos, para arrumar e mandaram-me deixá-lo no chão. Não custa nada levantar um colchão do chão, principalmente quando se paga dezenas de euros para fazer esforço.
3 - Caras utilizadoras do ginásio, o silêncio é de ouro! Estar constantemente a gritar nas aulas, ou a falar na passadeira não é sinal de que estão a gostar da aula, ou de que estão realmente a fazer esforço. Gritar é sinal de show-off. Concentrem-se no que fazem, e não no que se passa ao lado e verão que os resultados serão melhores.
4 - Caros senhores da LesMills, Sh'bam (ver vídeo) é a pior modalidade que possam ter inventado. Estava curiosa, muito curiosa para fazer uma aula desta modalidade, mas devo dizer que depois de a ter feito acho que é uma palhaçada autêntica, BodyJam é muito melhor.
A utilidade desta aula é para aqueles que querem ir a um programa do tipo " Do you Think you can Dance". 



Talvez seja o meu mau feitio, mas as únicas três coisas boas do ginásio na Madeira são:
- o PT / Member Interaction de nome Gualter, que é simpatiquíssimo. 
- poder ir ao ginásio com a minha melhor amiga, a S. 
- poder ir, ao domingo depois do ginásio, à happy hour ao bar do The Vine e ter esta vista: 




Dados da foto: 

Autor: eu 

Data: 18 de Novembro de 2012 
Local: Café 360, Hotel The Vine, Funchal, Madeira

Silence is Golden #83


Filme: Late Bloomers (2011)



Vi este filme e deixei de lado o post para comentar quando estivesse inspirada e algum tempo. O problema é que agora não consigo escrever sobre o filme sem chorar. Há casais que foram feitos uns para os outros. O meu casal preferido esteve junto 44 anos, ela foi sepultada no dia em que fazia 44 anos e 3 meses que se conheceram. Eu nasci desse casal, e tal como os filhos do casal do filme assisti a discussões, crises, desabafos, gritos e a muitas reconciliações. Porque quando está destinado, está destinado. ... 





Late bloomers’ stories are invariably love stories, and this may be why we have such difficulty with them. We’d like to think that mundane matters like loyalty, steadfastness, and the willingness to keep writing checks to support what looks like failure have nothing to do with something as rarefied as genius. But sometimes genius is anything but rarefied; sometimes it’s just the thing that emerges after twenty years of working at your kitchen table.





Earphone's on. Reality off #194

Dum Dum Girls - Lord Knows

Silence is Golden #82





Por vezes sinto que não é só a leitura que me faz viver mil vidas. A vida em si testa-me de tal forma que parece que vivo sempre uma nova cada vez que consigo transpôr uma nova barreira. 




Earphone's on. Reality off #193

....
Sad, very sad.
So worried, so very worried. 
:(


Shelter Point - Braille

Earphone's on. Reality off #192


Influências do pessoal cá do escritório. Hoje um dele só ouvia disto: 
Linkin park - the fast and the furious

Filme: Une vie de chat (2010)



Na companhia dos sobrinhos vê-se filmes de animação. 

Para grande surpresa minha aceitaram ver este filme porque o tio J. vive em Paris e querem conhecer melhor a cidade onde ele vive.
A sorte que eu tenho em ter já dois sobrinhos que lêem com facilidade. :)



Engraçado e com uma história fácil de perceber, é um pequeno filme que entretém e que deixa um gostinho amargo na boca a pedir por mais. 

Earphone's on. Reality off #189


the cells of this body
have all lost their memory
confused by each other

to work out of order
and i hate that they require
the need to be together
how could they go wrong
this terrible anatomy
will surely get the best of me
maybe they'd grow in someone else
we head back to your place
it's not such a nice place
i'm still a little nervous
i thought that you would notice
and i hate that this requires
for us to be together
maybe i was wrong
a simple little strategy
to get rid of all that's wrong with me
maybe they'd grow in someone else
watch as they grow in someone else



Gem Club - 252


Earphone's on. Reality off #188


Silver and gold, silver and gold
Everyone wishes for it
How do you measure its worth?
Just by the pleasure it gives here on earth.
Oh I’m getting old.
Oh I’m getting old.

Everyone wishes for youth.
How have I wasted my life?
Trusting the pleasure it gives here on earth.

Lord, come with fire. Lord, come with fire.
Everyone’s wasting their time Storing up treasure in vain.
Trusting the pleasure it gives here on earth.

Oh I see the end. Oh I see the end.
Everyone’s waiting for death
How do you measure its worth?
Justice delivers its gift here on earth.


Sufjan Stevens - Silver & Gold

Silence is Golden #81


Earphone's on. Reality off #187


Don't tempt the souls 
once left behind
(...)
I don't know
I don't know
where we go when we die


Flint Eastwood - The River

Earphone's on. Reality off #186


It's okay to feel
Everything is real
Nothing left to steal
Cause we're alright
We're alright


Sad,...but alright. 

Sharon Van Etten - We Are Fine



10-12-1951
02-11-2012





"(...) a gente não pode levar a morte a sério. Há que aceitar a morte como a impostora que é."
António Lobo Antunes (Entrevista na Visão nº921)


Earphone's on. Reality off #185

Entrei de férias.
Vou para... a ilha, pois claro. :)

Depois de tudo o que se passou, quero estar ainda mais perto dos meus. 

Perfume Genius - Take me Home

Earphone's on. Reality off #184


A meio do concerto dos Ornatos, lembrei-me desta música e não a consigo tirar da cabeça... À música e tudo o que vem com ela, dos tempos de Coimbra. 

O meu cérebro prega-me com cada partida.
Shivaree - Bossa Nova