Filme: The Secret of Kells (2009)


Numa mistura entre o Nome da Rosa, Game of Thrones eis The Secret of Kells, um filme sobre Brendan um pequeno rapaz que para poder escrever um livro mágico tem que enfrentar os seus piores medos.
Gostei imenso e não é destinado ao público infantil.

Musicoterapia: she ...



Música: Grand Avenue - She

Palavras dos outros #07




Do blog que sigo assiduamente: Os Dias úteis


Tivesse eu um blogue sem leitores e o que eu não escreveria agora. Tudo, para começar. Todas as letras, todas as palavrinhas, os detalhes todos, escrever como quem pensa em voz alta, as contradições, certezas e inseguranças, todas as hipóteses da imaginação, mesmo as mais estapafúrdias, tudo, tudinho. Tudo, para sempre.
Nada contra tanta gente que aqui vem, atenção.
Mas assim sendo acho que era preciso criar um blogue para aquilo que grita para ser escrito e aqui não pode ser, derivado do facto.
Inquietação.




Do amor e outros demónios #12

autor da foto: Tia Rosa
Data: 01 de Maio de 1981
Local: algures na Madeira

Ela fez 34 anos no passado sábado. Somos o azeite e a água desde pequeninas. Nunca nos demos bem, os nossos pais não percebem a nossa relação, os nossos irmãos muito menos. Ultimamente evitamos discordar uma com a outra por respeito à nossa mãe. Ela teve uma primeira gravidez de gémeos em que um morreu à nascença e quando engravidou segunda vez disse que queria rapaz e assim foi. Teve três filhos, três rapazes (nunca omite o facto de um ter morrido) e dizia que tinha fechado a loja. No último ano tivemos duas sobrinhas em comum (a família do marido dela é tipo fábrica, mas isso é outro assunto) e eu sempre fiz o papel de irmã mais velha e pedia-lhe mais um sobrinho. Ela é boa mãe. Ela sempre dizia: "fui mãe aos 21 e aos 26, a minha loja fechou" e ao que eu lhe respondia : "tu vais ter uma menina antes dos 40".  Hoje ela foi ao médico confirmar um atraso, um atraso que me fez sorrir, um atraso que faz a minha mãe sonhar, um atraso que me fez feliz, um atraso que a fez questionar ao médico: "é só um?"
E sim é só um pequeno ser que cresce dentro dela. 
E se o objectivo, de ambas, era ver a minha mãe feliz, e em casa, no baptizado da nossa sobrinha no próximo dia 20 de Agosto, agora estamos mais ambiciosas, agora queremos que o filho/a dela conheça a avó materna. 

E ela a mim diz: "Oh Patxi, engravidar logo agora? não é justo!"

Silence is a girl's loudest cry

Musicoterapia: Easier

É tão mais fácil não partilhar a dor e espalhar sorrisos.
O meu coração anda fraco, emociono-me facilmente e dou por mim a achar fútil a importância que dava a determinadas coisas.
É tão fácil fingir, mas eu sou verdadeira e já não aguentava mais este fingimento todo e preciso de um espaço onde não possa fingir. 


Música: Raised by Swans - Easier


Filme: Chloe (2009)



Catherine Stewart: How do you do this?
Chloe: I try to find something to love in everybody. Even if it's a small thing. Something about the way someone smiles. There's always something, there has to be. I try to make myself generous. I do things I don't want to do. I... I think about what not to criticize. And the strangest things come back to me.
Catherine Stewart: Like?
Chloe: You.
Catherine Stewart: Me?
Chloe: Yeah. Yeah people like you walk into my life. 

Countdown to The Arcade Fire (3/3)

Às 00:45m desta noite, ou seja, já amanhã, The Arcade Fire entram em palco e eu estou ansiosa, ansiosa. :)

Smile of the day #52

Dos quatro sobrinhos, dois são rapazes e duas são raparigas. Hoje a mais velha das sobrinhas faz um ano. Sorte dela eu ser a madrinha dela senão teria levado mesmo com um postal virtual. :)

Countdown to The Arcade Fire (2/3)



Espero que amanhã cantem uma das minhas preferidas.





Música: The Arcade Fire - Wake Up

Countdown to The Arcade Fire (1/3)

Desde 2007 que anseio pelo regresso deles. A NATO obrigou-os a cancelar o concerto em Novembro de 2010, e eles regressaram mais cedo do que eu pensava. Faltam menos de três dias para ver The Arcade Fire no SBSR. :)


Música: The Arcade Fire - Ready to Start

Silence is Golden #39


Musicoterapria: This love is all There's nothing more

Foi tão bom o fim-de-semana... Mas, já acabou!
E hoje começa a semana que acabará com o concerto dos Arcade Fire. 
Preciso de mais alguma coisa para me animar? Ah, um Magnum de Menta. Delicioso.
Bom trabalho. :)

Música: The Crookes - Just Like Dreamers

Filme: Pysaa (1957)

A Cinemateca deu-me ontem a oportunidade de ver Pyaasa (Sedento é a tradução para Português). A vida de um poeta pobre que vive na rua, dorme na rua e que tem roupa velha e cheia de buracos, de um poeta que é julgado pelos irmãos por tentar concretizar o seu sonho que é ser um poeta famoso, de um poeta que sofre por não ter dinheiro para oferecer à mãe uma vida melhor, de um homem que um dia amou e foi amado, mas para muitas mulheres o amor e uma cabana não é suficiente e o amor da sua vida abandona-o e casa-se  por dinheiro e vive no luxo e opulência. A vida do poeta muda quando os irmãos vendem os seus poemas a um editor, mas o acto comercial destina-se só a aproveitar o papel para reciclar, não sabendo que naquelas folhas soltas se encontra a obra-prima do poeta Vijay.
A cópia do filme da cinemateca já está muito velha, mas para os verdadeiros apreciadores de cinema este é um filme a não perder.

Aquário sou eu.

Inspiração vinda daqui.
Dados da Foto: 
Autor: Minha Mãe
Data: 01 de Maio de 1981
Local: Pico dos Barcelos, Madeira

Chamam-me muitas coisas e aprendi com a idade a lidar com elas. A minha auto-estima ainda sofre muito devido a uma relação longa e sou muito teimosa. Tenho uma paixão enorme pelo desconhecido. Sou Madeirense e não nego as minhas raízes apesar de nunca ter gostado do senhor que se pronuncia por todos nós. Sempre brinquei com carros, pistas e legos e isso não fez de mim lésbica. Sou viciada na família e nos amigos. Adoro futebol, caracóis e cerveja. Quando me pediram, por motivos de doença, para só comer arroz e carnes brancas grelhadas e beber só água ou chá preto sofri, sofri não pelo tipo de comida que tinha que ingerir mas por não poder beber o meu tinto em jantaradas. Sou muito emotiva e ao mesmo tempo fria e calculista e quem me pisa os calcanhares uma vez não pisa segunda, porque corto relações. Gosto de trabalhar e sou muito aventureira. Sinto-me realizada quando ajudo os outros a serem melhores. Sou tímida, muito tímida até ganhar confiança. Sou Aquário.

Aquário é o signo que usa a racionalidade e confia na mentalidade das pessoas enquanto colectividade. Seu nativo age mais na coletividade do que em relações pessoais. 
Explicado.

Apesar de ser amante da humanidade, o aquariano é um solitário. Ele consegue antever o que ainda não foi inteiramente criado, mas que já pode ser imaginado. Para ousar e inventar, o nativo de Aquário precisa ter a mente aberta.
E fazer as coisas com calma. 

Signo da produção em série, da moda e das ideologias reformadoras, Aquário trata todo mundo igual, do mais humilde ao mais imponente membro da sociedade, pois percebe a humanidade que ambos possuem. E é em prol desta humanidade que a aquariana é capaz de comprar as brigas mais feias e sofrer a perseguição dos mais conservadores.
Odeio discussões. Sofro só ao ver pessoas a brigar. No entanto sofro ainda mais com a desigualdade. 

Aquário precisa de espaço para ir e vir, trocando informações sempre, pois é signo de Ar, muito sociável. Trata amigavelmente a todos e preza sua liberdade, pois precisa dela para exercer sua lógica fria e inovadora. Ao seu ver, as razões afectivas anuviam o julgamento límpido.
Não foi escrito por mim, mas poderia ser. Concordo que as pessoas apaixonadas ficam tolas. 

Apesar de pacífico, Aquário pode defender soluções violentas para os problemas sociais. Na melhor das hipóteses, ele é um inventor, alguém que está sempre adiante de seu tempo, principalmente na moda, na literatura, na política e na história, seus campos privilegiados de auto-realização.
Completamente. 

Com uma aquariana mentir é uma coisa, e deixar de contar toda a história é outra coisa.
Sem comentários. ;)

O instinto de fraternidade na aquariana é tão intenso que muitas vezes ela ficará chocada por ter cometido alguma injustiça. 
É mau este sentimento. É horrível pensar que fui injusta. 

Poucas são as coisas que podem chocar uma aquariana ou deixa-la escandalizada. Esta mulher não costuma ter chiliques ou ataques de histeria, nem gostam de fazer um julgamento sem ter uma boa base sobre o assunto.
Odeio, odeio quando condenam alguém sem saber o que o levou a fazer. Sou pouco tolerável a pessoas que só criticam.

Nas profissões, a aquariana está na linha de frente da empresa de tecnologia de ponta, tentando descobrir como fazer com que o maior número de pessoas tenha acesso às descobertas científicas. Também está presente na política, com ideias revolucionárias que podem chocar os mais conservadores.
Explicado porque na Madeira sou encarada como um ET, e na empresa como uma wikipedia. 

O Aquário é o signo do futuro, das novas descobertas e dos génios que mudaram a humanidade.
Não é bem assim... :)

O nativo de Aquário não gosta que sua vida íntima seja devassada por olhares estranhos. Por ser ousado e gostar de novidades, ele tem sempre uma porta aberta para as aventuras, o que pode impedir um casamento mais conservador.
So true. :$


Por isso que a aquariana costuma viver no futuro, onde as coisas ainda estão para acontecer. Na verdade, elas se antecipam à época em que vivem. Muitos astrólogos dizem que daqui uns cinquenta anos o mundo pensará como os aquarianos. E deve ser mesmo.
:) 

E um pequeno conselho aos homens sobre as mulheres aquarianas: 
Aliás, se está procurando uma mulher louca pelas paixões, fez a escolha errada. Sim, ela é uma mulher apaixonante, mas se for uma típica mulher de Aquário, a paixão não será seu forte. O problema é que você dificilmente não irá se apaixonar por ela, por seu charme misterioso, seu jeito de meio frio, muitas vezes distante...É, meu caro, esta mulher é muito lógica e ponderada para se impressionar com romances adocicados, declarações de amor ou filmes com finais trágicos, como Romeu e Julieta. Para ela não faz sentido associar paixão com amor.

E meus amigos, não se queixem quando me vêem com o olhar perdido, afinal sou mesmo assim:  
Apesar de sempre parecer um pouco desligada do mundo, são capazes de captar as coisas que acontecem ao seu redor como uma tela de radar. Você pode pensar que ela não está prestando nenhuma atenção nas coisas que esta dizendo, que deve estar no mundo da lua imaginando o por quê da existência humana, e, no entanto ela repetirá tudo o que disse no dia seguinte. Isto vai ensina-lo de que o processo que elas tem para colher informações é muito maior que sua famosa distracção.

Do amor e outros demónios #11


Ando com um pequeno projecto pessoal em mãos. 
Desde as cartas de namoro a fotos do meu pai no ultramar, da minha mãe de mini-saia, de mim a fazer caretas, da minha irmã com bonecas e dos meus irmãos a fazerem coisas que não lembra o diabo, tudo serve para a surpreender em Agosto. 

Sempre quis atingir através da palavra alguma coisa que fosse  ao mesmo tempo sem moeda e que fosse e transmitisse tranquilidade ou simplesmente a verdade mais profunda existente no ser humano e nas coisas. Cada vez mais eu escrevo com menos palavras. Meu livro melhor acontecerá quando eu de todo não escrever. Eu tenho uma falta de assunto essencial. Todo homem tem sina obscura de pensamento que pode ser o de um crepúsculo e pode ser uma aurora.
Clarice Lispector

Smile of the day #51

Porque preciso de uns destes.
Depois de passar uma noite com estes:
“Eu disse a uma amiga:
— A vida sempre super exigiu de mim.
Ela disse:
— Mas lembre-se de que você também super exige da vida.

Sim.”

Clarice Lispector

Musicoterapia: Look at the sunrise, Look at the moonlight

Há que olhar sempre para o que nos rodeia, antes que desapareça. 
Boa semana.



Música: The Dø - Bohemian Dances

Filme: Jane Eyre (2011)

Até a meia-hora atrás, Mr. Rochester havia um, este e mais nenhum.
Toby Stephens
Mas, ao longo do filme e numa fiel adaptação ao livro, este espécie de Mr. Rochester quase que chega aos calcanhares do da série de 2006
Michael Fassbender
E que dizer do Billy Elliot que está tão grande?
Jamie Bell

Falam de... Nuno Crato

© PAULO ALEXANDRINO PHOTOGRAPHER

E este blog também tem algo a dizer, sempre gostei deste homem, pah. E agora fez um discurso onde pronunciou em voz alta muitas acções que já vinha dizendo à minha irmã.
O ano passado ganhei o bichinho das aulas ao dar explicações de todas as disciplinas à Jessica, a melhor ginasta portuguesa em solo. A nível profissional consigo alimentar o bichinho, pois sou a responsável pelas formações do projecto onde estou envolvida, além de que costumo dar explicações, à distância, ao meu sobrinho mais velho. Via Skype.
Uma das principais dificuldades que tenho com o meu sobrinho e que tive com a Jessica foi o recurso às calculadoras. Não trabalhar com calculadoras para estas gerações é complicado. O meu sobrinho passou a não usar com tanta assiduidade a calculadora quando se apercebeu que o avô, o meu pai, é mais rápido a realizar os  cálculos de cabeça que ele a teclar na calculadora. E este será outro assunto de conversa, pois o meu sobrinho, 7º ano, sente-se humilhado por ser incapaz de fazer algo quando o meu pai com a 4ª classe consegue.

A Jessica por ter estatuto de alta competição era facilitada nas aulas e nos exames, o mesmo grau de exigência para todos não existia ali, oriunda de uma família pobre e numerosa da ilha é vista cá em Lisboa como um estudante mediocre. Quando estudamos juntas, o grau de exigência foi alto, muito alto, sem facilitar e a repetir até à exaustão os exercícios. A aluna passou de 2 para 4, porque foi lhe exigido não só ser uma cara bonita como um membro da sociedade. 
Porque facilitar é a primeira forma de exclusão. 

Filme: Les Petits Mouchoirs (2010)

(contém spoilers)
Filme lindo este feito de pequenas mentiras. Mentimos para proteger, mentimos para não magoar, mentimos por puro exibicionismo, mentimos porque faz parte da nossa natureza mentir para acreditar que o mundo que idealizamos é o que vivemos porque a verdade é cruel, dói e faz-nos lacrimejar e porque, acima de tudo, mentimos porque não conseguimos confiar em ninguém. Mais uma vez afirmo que faz parte da nossa natureza, Mentir. Mentir aos familiares, aos conhecidos, aos amigos. Mas ao longo do tempo e se os amigos forem mesmo do peito a mentira ou a omissão acaba por ser aceite, faz parte da personalidade e não são necessárias palavras para perceber que se esconde a verdade. 
Este filme está genial. 
Um grupo de amigos que apesar de um acidente grave entre um deles decide manter o plano de férias inicial. E tal como previsto, o amigo acaba por morrer quando as férias estão quase a acabar e mais uma mentira é proferida: "e como é que vai ser a minha vida sem ti?".
Como sempre, a acreditar que a presença do ente perdido é real e sorrir, e quando a verdade bater à porta chorar, porque chorar e sorrir são as reacções mais puras a qualquer acontecimento.

Banda sonora também é cinco estrelas. Aqui.

Smile of the day #50

Hoje é o dia da Região Autonóma da Madeira e das Comunidades Madeirenses.