Shangai Shandy

Ontem, ao final do dia, estive com umas meninas/senhoras no Vasco da Gama.
Foi muito bom.

Conclui que afinal, não estou maluca. E sempre tinha visto a T. nas minhas redondezas. Ela agora é quase minha vizinha.

Bebi um Shangai Shandy na Lusitânia com a C., A. e F..
A outra T. não nos acompanhou. :(


A F. entregou-me algo que a T. do 'pega-vício' me enviou por ela.
site oficial site da Tv.com
Já tenho o que ver... :)

Mário Cesariny

Galeria de Arte
Faz-me o favor...

Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.

É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és nao vem à flor
Das caras e dos dias.

Tu és melhor -- muito melhor!
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.

idas à Guarda

Estas tiras da Cathy fazem-me lembrar as idas à Guarda, onde o G. é rei e senhor. :)

Meu rico filho
Senta-te aí, descansa! Ela não cuida bem de ti.

Iluminação de Natal

As luzes que marcam todos os anos a época de Natal e fim-de-ano no Funchal foram acesas no fim-de-semana passado.
A cerimónia reuniu madeirenses e turistas que encheram o Largo da Sé.

Deixo-vos aqui os vídeos do DN da Madeira.
A iluminação durante o dia:



A iluminação na noite da "inauguração":



FNAC na Madeira - dia 23

Finalmente... Uma Fnac na ilha.

Gosto da parte do artigo em que diz que "A exemplo das congéneres do continente..."
:)

Fnac na Madeira com conceito inovador
É já no próximo dia 23 que a multinacional Fnac abre a sua primeira loja na Madeira. A décima no país.
Implantada no MadeiraShopping, a Fnac Madeira desenvolve-se por uma vasta área: 1860 m2, muito próximo dos hipermercados existentes na ilha, e oferece 80 novos postos de trabalho.
A loja reparte-se por dois andares. Por isso, terá duas entradas: a maior será no piso principal do MadeiraShopping (Piso 0), com acesso directo ao piso superior (piso 1), através de escadas rolantes no interior da loja. Haverá também uma entrada superior, na continuação da área de restauração e dos cinemas. O investmento na região autónoma traduz-se num investimento de 3,5 milhões de euros.
A exemplo das congéneres do continente, a Fnac Madeira vai ter bilheteira de espectáculos nacionais e internacionais para festivais, concertos, ópera, musicais, teatro, dança. Por isso mesmo, a empresa evidencia que quer incitar os agentes locais a aderirem ao seu sistema de divulgação cultural, de modo a que eventos locais sejam também vendidos na bilheteira Fnac.
Novo conceito
A Fnac Madeira segue o novo conceito arquitectónico de loja Fnac com um design moderno e alegre, em que predominam cores fortes.
Será a terceira loja do país a ser construída de raiz para obedecer a um novo conceito de loja que favorece um espaço aberto e colorido, onde encoraja o visitante a desfrutar livremente dos produtos e serviços disponibilizados.

Anatomia


Anatomia de Grey estreia amanhã na RTP1.
No final do episódio reparem no nome da tradutora. ;)

Anatomia de Grey é das melhor séries do ano. Não é a melhor, porque ainda estou apaixonada pela season 1 de Prison Break.

Durante a season 1 só queria saber do Patrick Dempsey. Influências do filme Can´t buy me love... cenas de adolescente. :)
E não houve nenhuma personagem que gostasse em especial. Ah, o G. odeia a Cristina. Não percebo porquê.

Na season 2 ia-me passando com a Meredith, comecei a gostar mais do Karev.
E tem mais gajos bons na 2. Babo-me sempre que surge o Marc. Gostei também do veterinário. ;)

Vejam que vão gostar. Estejam atentos à RTP1. Ainda por cima passa em horário nobre. Esperemos que se mantenha assim.

Também já tenho a Banda Sonora da season1 que é fabulosa.

Where does the good go by Tegan and Sara
Where do you go with your broken heart in tow?
What do you do with the left over you?
And how do you know, when to let go?
Where does the good go? Where does the good go?

Look me in the eye and tell me you don't find me attractive
Look me in the heart and tell me you won't go
Look me in the eye and promise no love's like our love
Look me in the heart and un break broken, it won't happen

It's love that leaves that breaks the seal of always thinking you would be
Real happy and healthy, strong and calm
Where does the good go? Where does the good go?

Where do you go when you're in love and the world knows?
How do you live so happily while I am sad and broken down?
What do you say it's up for grabs now that you're on your way down?
Where does the good go? Where does the good go?

Dia Mundial da Diabetes

O meu avô materno era diabético.
Talvez por isso, a minha mãe sempre nos educou a não usar o açucar em exagero.
Bebo café e chá sem açúcar e não como muito bolos... só os caseiros. :)
Os que faço, como aquele ali em baixo, levou metade do açucar que indica a receita.
Apesar da educação alimentar a minha mãe é hoje diabética, tipo II, insulinotratada.
A diabetes também é genética.

Mesmo tendo cuidado com o que como, faço sempre o rastreio.


Querem saber mais sobre esta doença?
Ide aqui:
  • O que é a Diabetes;

  • Receitas para Diabéticos;

  • Sintomas da Diabetes;

  • Centers for Disease Control and Prevention;
  • O meu magusto

    Não gosto de Jeropiga. Não gosto de bebidas doces.
    E as castanhas assadas gosto de acompanhar com vinho tratado (caseiro, feito pelo meu cunhado).

    Logo, já estraguei o magusto típico continental.
    Aliado ao facto de não gostar muito de nozes e como ofereceram-me nozes e as tinhas às centenas decidi fazer algo ainda mais diferente. :)

    Um bolo com muitas nozes.
    Ficou tão bom, tão bom que decidi partilhar a receita convosco.

    Ingredientes:
    Para o bolo:
    150 grs de nozes moídas
    150 grs de manteiga
    1 colher de chá de fermento em pó
    2 chávenas de açúcar
    5 ovos
    2 chávenas de farinha de trigo
    1 chávena de café forte
    Para o recheio:
    2 colheres de sopa de amido de milho (maizena)
    1 lata de leite condensado
    2 gemas
    1 lata de leite completo (a medida é a lata)
    1 lata de natas(a medida é a lata)
    1/2 chávena de café
    1 colher de café de essência de baunilha
    2 ou 3 rodelas de ananás picadinho
    Para a cobertura:
    150 grs de chocolate de culinária
    metade do recheio

    Confecção:
    Bata o açúcar, com a manteiga e as gemas até ficar cremosa. Adicione a farinha com o fermento, as nozes moídas e o café e misture muito bem. Bata as claras em castelo bem firme.
    Envolva as claras delicadamente ao preparado. Barre muito bem com manteiga e polvilhe com farinha uma forma redonda e lisa. Verta o preparado na forma e leve ao forno quente durante +- 1 hora, convém verificar.
    *A temperatura do forno é esta: nos primeiros 10 minutos requer forno bastante quente passado esse tempo forno médio.

    Entretanto prepare o recheio.
    Num tachinho misture muito bem todos os ingredientes menos o ananás. Leve ao lume médio mexendo sempre até espessar. Depois do bolo cozido, abra o bolo ao meio e recheie com metade do creme.
    Por cima do creme disponha o ananás picado. Reponha a outra metade do bolo.

    Prepare a cobertura. Derreta o chocolate em banho maria. Depois de derretido misture muito bem com a metade do recheio. Barre todo o bolo com a cobertura. Decore com o que ficar das nozes moídas ou com meias-nozes.


    Depois vejo se coloco foto.
    Agora vou ao ginásio para poder comer mais fatias e não ficar com a consciência pesada. :)

    P.S. - Quem abriu o bolo a meio foi o G., convém que os homens pensem que têm tarefas com alto teor complexo lá em casa. :o

    Brothers

    No post de ontem falo em dois dos meus manos, o J. e o A.
    Mas, quero-vos lembrar que tenho mais 3 manos e uma mana. :)
    Tal como podem ver num outro post deste blog.

    Podem dizer que somos muitos, e tal... :o
    Mas, o facto de termos tido uma mãe que nunca deixou de trabalhar para se dedicar a 100% aos filhos aliado ao facto de termos um pai super-trabalhador nos uniu muito.
    Contamos segredos uns aos outros e respeitámos sempre a opinião dos outros.
    Podemos não concordar e raramente discutimos, pois respeitámo-nos.
    Ah... e também temos actos de adolescência... como quando o J. arranjou uma namorada nova. Passámos uma cena a mandar bocas tal como se tivessemos todos a idade do X. (14 anos)... até os nossos sobrinhos, o PD. e o H. alinhavam nas bocas.

    E é por pequenas coisinhas destas que somos uma família feliz. Grande e feliz. :)

    Tão grande, tão grande que os meus pais este fim-de-semana só têm o X. em casa. :)

    Coisas madeirenses

    O meu irmão J. chegou hoje a Lisboa. Veio passar o fim-de-semana ao "Continente".
    E não pensem que veio para estar com a mana ou com o irmão caloiro... que nada, veio com um amigo e vão passear pela Beira interior, para ficarem a conhecer o interior de Portugal. :)

    Logo de manhã fui buscá-lo ao aeroporto. A minha mãe mandou por ele "algumas coisinhas" para mim e para o A. - o caloiro.
    No aeroporto, quando vi o J. chegar ao pé de mim com três malas pensei que ele vinha de vez. :o
    Vocês nem imaginam o que é que a minha mãe e o meu pai entendem por "algumas coisinhas".

    A única coisa que tinha pedido foram pipinelas. Que adoro. E aqui, em Lisboa é tão caro e raramente se vê à venda. Chama-se xu-xu por cá. Na Madeira até oferecem de tantas haver.


    Além da pipinela, eis o que recebi:
    - batata doce (que torna as minhas sopas mais saborosas)
    - bolo de mel (que não aprecio)
    - broas de mel (soberbas. :o)
    - palitos de cerveja (já devorei meio saco)
    - banana (sim da madeirense, pequena e gostosa ;))
    - mel de cana de açucar (no caso de fazer sonhos ou malassadas, os madeirenses não usam açucar e canela)
    - 1 garrafa de aguardente (este item já foi o meu pai que colocou no saco. Diz que é para o G. fazer poncha)


    Enquanto vocês pensam no que vou fazer com isto tudo, vou até à cozinha, pegar no caralhinho, na aguardente e no limão e fazer uma poncha. ;)
    caralhinho

    P.S. - A pipinela é cozida tal como a semilha aka batata.

    Grande Entrevista com o AJJ #02

    Para quem não viu no domingo... ;)

    Fim-de-semana

    No fim-de-semana tive a casa cheia. A S. - minha amiga de infância da Madeira - veio passar uns dias ao Continente :) e o sábado e domingo passou-os comigo.
    Com ela veio o marido e a filha de dois anos, a I. que encheu a minha casa de barulho...
    Ficaram lá em casa... dormiram lá em casa.

    Gostei muito de passar 24 horas com ela. Matámos saudades, colocámos a bilhardice em dia, passeámos pelo Parque das Nações e não falámos de política.
    A filha dela está enorme e fala pelos cotovelos.
    O marido continua igual.

    E a S. não evitou de me mandar as bocas do costume, e como a boca sobre o casamento já passou de moda, agora os recadinhos passam por "E para quando um filhote?".

    Minhas amigas... Meus amigos...
    Eu tenho 6 irmãos, e cuidei de 3 como se fosse a mãe, eu e a minha irmã erámos as amas deles enquanto as nossas amigas brincavam com as bonecas.
    O sentimento de querer ser mãe foi absorvido por completo pela minha irmã.
    Eu absorvi o de querer ser a melhor irmã e melhor tia. ;)

    Adoro crianças... desde que elas não me absorvam.
    E durante este fim-de-semana percebi que nunca, nunca conseguiria ser mãe. Não tenho pachorra para andar sempre a dar atenção a alguém... não consigo, não é do meu feitio.

    Mas, gostei muito de ter a minha amiga por cá e a I. também. ;)
    Fez-me bem passar 24 horas com uma amiga.

    Grande Entrevista com o AJJ

    Em 15 minutos e o AJJ já me enervou.
    Raios o partam... Nunca deixa a Judite de Sousa acabar uma pergunta.
    E acima de tudo não responde à principal pergunta. :(

    Só para que saibam pormenores, na Madeira paga-se menos IRS e o IVA é menor.

    E, segundo o AJJ a Madeira não pode dispensar o valor em questão... Ou melhor, pode mas só daqui a dois anos.
    Ora, se é só daqui a 2 anos que a Madeira pode assumir a nova lei das Finanças, então que assuma já (Ver notícia do DN). Os madeirenses gastaram 44 milhões só no EuroMilhões nos últimos 2 anos... que deixem de jogar.

    E está resolvido.

    Extracto de uma notícia do DN Madeira no dia 26OUT2006:
    Madeirenses apostaram mais de 44 milhões de euros em dois anos de Euromilhões
    O total de apostas no jogo livre de impostos da Santa Casa quase dava para cobrir o corte de 47 milhões na transferência das verbas do Estado para a Região
    Meio milhão de euros por semana é quanto gastam, em média, os madeirenses. As apostas no Euromilhões são registadas em 62 casas.

    Desde que o Euromilhões foi lançado em Portugal, há precisamente dois anos, os madeirenses já investiram mais de 44 milhões de euros em apostas. Uma quantia que quase chegava para cobrir o montante das verbas que o Estado quer reduzir na transferência para a Região Autónoma da Madeira, estimada na ordem dos 47,8 milhões de euros, segundo os dados da Secretaria Regional do Planeamento e Finanças.

    Os dados oficiais do Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a que o DIÁRIO teve acesso, não deixam margem para dúvidas: o "Euromilhões" é o jogo do momento, liderando, de longe, a preferência dos madeirenses. O volume das apostas é algo que tem vindo a aumentar progressivamente, ainda que, entre o primeiro e o segundo ano de vida do "Euromilhões", o valor das apostas pouco ou nada variou - fixando-se na ordem dos 22 milhões de euros por ano.

    Analisando o período compreendido entre 15 de Outubro de 2004 (altura do lançamento do jogo em Portugal) e 20 de Outubro de 2006, data da última aposta registada, verifica-se que a Região investiu na sorte europeia precisamente 44.029.992 euros - um valor que, para muitos, só é perceptível tendo como elemento comparativo outras referências.

    O valor corresponde, por exemplo, ao quíntuplo daquilo que o Governo Regional concedeu - através de subsídios - ao sector da Educação na Madeira, em 2005. Se se mantivessem os valores subsidiados, os 44 milhões de euros das apostas no Euromilhões dariam para subsidiar durante 5 anos: 27 estabelecimentos de ensino público e privados, associações académicas, transporte a estudantes e crianças que residem em zonas isoladas e desfavorecidas, bolsas de estudo a alunos no estrangeiro, além de pagar a fornecedores e outros beneficiários.

    Os 44 milhões de euros investidos em dois anos no Euromilhões são também superiores ao global das verbas concedidas pelo Governo Regional (ao abrigo de contratos-programa de cooperação técnica e financeira) às onze câmaras municipais madeirenses que, em 2005, ano de eleições, não foram além de 37 milhões de euros.