fuga e reencontro



Sou ilhéu

Sou um rochedo da ilha da Madeira
Tenho a minha história de fuga e escrevo aos poucos a minha história de reencontro.

Por mais que ande às voltas, por mais que viaje, por mais que tente brincar às escondidas, por mais que procure, o sentimento de pertença à ilha é uma força superior inexplicável. 

Os insensíveis podem continuar a chamá-la de buraco financeiro, eu chamo-a de casa.  
É o local que um dia irei regressar de forma permanente para as minhas cinzas espalhar. 


1 comentário:

  1. Compreendo-te perfeitamente....sou demasiado pegada as minhas raízes...talvez por isso ainda não tenha arriscado a sair daqui! Adoro a minha terra...apesar de ñ a achar bonita, mas a minha região amo de paixão, é uma região linda...onde tens tudo...serra e mar...e onde a serra e o mar até se chegam a encontrar! O Barrocal consegue surpreender-te a cada recanto, a costa vicentina têm das praias mais bonitas que conheço e dá-me raiva quando oiço muita gente falar mal do Algarve, quando só conhecem a confusão das praias no mês de Agosto!

    A Madeira é um dos destinos que quero muito conhecer. Vamos ver se será em 2012.

    ResponderEliminar