Dizem que os pais não devem ver os filhos morrer, que é uma parte deles que morre. 

Ao assistir a minha mãe desaparecer aos poucos, todos os dias, sinto que estou a perder um pouco de mim também. 

A minha mãe está novamente internada. Os médicos dizem para nos irmos habituando ao entra e saí do Hospital. E eu questiono, Ainda mais?

Aproveito para deixar aqui o meu pedido de desculpas à minha querida A. . Anda não consegui te dirigir uma única palavra  porque simplesmente não sei o que dizer. 
Desculpa. :(

8 comentários:

  1. Não te preocupes, Patxi, eu sei o que estás a passar! Custa muito vermos um dos nossos pais a desaparecer aos poucos, a deixar de ser quem é, a perder todo o interesse pela vida. Eu cheguei a ver o meu pai pedir para sair do hospital, que estava cansado, que assim a vida não fazia sentido e que se tivesse forças se atirava de uma janela. Uma pessoa que sempre teve uma força e alegria de viver enorme! Custa mesmo muito!
    Só te posso deixar um grande abraço, apertadinho, sei que não há palavras que te consolem. Tenta apenas viver um dia de cada vez!

    ResponderEliminar
  2. Não tenho palavras capazes de fazer alguma diferença no teu sofrimento.
    Força é o que posso desejar-te e as melhoras para a rua mãe.
    Ninguém devia ver desaparecer os que ama.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada M.

    A. Obrigada pelas palavras. É que é mesmo como dizes, é viver um dia de cada vez. Mas, todos os dias parece que perco um pouco de mim. Ontem pensei em abandonar os meus planos de férias a Bilbao e de trabalho e meter baixa de apoio à família como fiz o ano passado.
    Mas, não vale a pena. Seria pior para mim e para a minha mãe seria indiferente ou talvez pior, porque ela sentir-se-ia culpada por eu abdicar dos meus planos, como me disse o ano passado.
    Mais uma vez, Obrigada, A. A sério. Adorei ler as tuas palavras. Abraço.
    P.

    ResponderEliminar
  4. Patxocas,

    Como costumo dizer, não como consolo, mas porque é a mais pura das verdades: a esperança é sempre a última a morrer. Força!!! Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Hugs, hugs, hugs... tão só. Um longo e silencioso abraço apertado.

    ResponderEliminar
  6. Minha querida:
    O teu texto entristeceu-me (e falei dele à minha Mãe). O teu Pai deve estar arrasado, com esse prognóstico do médico. Espero sinceramente que seja manifesto exagero e que ela recupere alguma da alegria e sentido da vida que agora parece não vislumbrar. E tem tanta gente a torcer por ela...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Um beijo grande e Força! Já passei por isso, mas com o meu Avô. Sei que não há palavras ou gestos que nos façam sentir melhor e que o sentimento de impotência se vai apoderando de nós.
    Força e vai a Bilbao!! Pena tenho eu de não ter programado para ir também por pensar que já poderia estar a trabalhar!! ;)

    ResponderEliminar
  8. Bilbao numa semana.
    Angola na outra.

    A vida, essa não para. ;)

    ResponderEliminar