Nada é para sempre

A facilidade com que os argumentos deixam de ser válidos só surpreende quem não conhece as capacidades do ser humano. A urgência em demonstrar que há algo que nos corrói e que nos destrói por dentro é superada com a idade. A mágoa do passado ensina-nos a ignorar e a superar as adversidades do dia-a-dia. 

Em 2008, no jantar do meu aniversário, tive a prova final de que o meu namorado, na altura, traía-me. Necessitava de um tempo, disse-me ele. Durante esse "tempo" tive urgência em que as horas, ... os dias passassem. 
No dia em que a palavra "acabou" ou "não dá" foi proferida a urgência deixou de existir. A vida, essa continuou e dia-a-dia surgem-me barreiras e palavras que me ferem. Mas, a capacidade em superar essa urgência em viver e em mostrar que nada me afecta não mostra a natureza da minha frieza mas sim a capacidade que tenho em ignorar o que não interessa.

Desprezo, já dizia o meu avô materno é a melhor arma. 
Desprezo é forte. Prefiro que não me deixem atingir. 

E estas são as meias que quero comprar como prenda de anos, de mim para mim. :)

2 comentários:

  1. E ao fim de algum tempo esses episódios tornam-se apenas páginas que relemos com curiosidade, mas uma curiosidade distanciada não é? Besitos e parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Vou roubar a tua frase. Pode ser primita?

    Obrigada por tudo.
    Jinhos grandes.

    ResponderEliminar