quando as palavras não dizem o que somos. Gastamos em tinta o que prometemos em sonhos


As velas ardem até ao fim é talvez um dos livros mais intensos que li nos últimos anos. Qualquer palavra solta unida a outra torna a frase digna de ser citada. Todo o livro acaba por ser uma grande citação. 
Este livro fora de série não é só uma obra de reflexão como uma verdadeira terapia. Um hino à verdadeira amizade, às memórias, às dúvidas da vida, às paixões, aos actos de paixão, ao medo, e à capacidade de sobreviver, às questões que nos perseguem até ao fim... 

"as velas arderam até ao fim!"

“(...)é uma resposta à sua maneira disforme e terna a uma pergunta, que não se pode dizer com palavras. “

Porque as palavras apesar de conseguirem ser muito poderosas não têm a capacidade de darem a resposta certa.  



Música: Mesa - Quando as palavras

3 comentários:

  1. Bom livro. Já o li e acho que ando a precisar de o ler outra vez...

    ResponderEliminar
  2. Também já li o livro e adorei-o. Pequeno em tamanho, grande em mensagem.

    "(...) Era bom saber – continua, como se discutisse consigo próprio -, se existe amizade realmente? Não me refiro àquele prazer ocasional que faz com que duas pessoas fiquem contentes porque se encontraram, porque num determinado período das suas vidas pensavam da mesma maneira sobre certas questões, porque os seus gostos são semelhantes e os seus passatempos iguais. Nada disso é amizade. Às vezes, chego a pensar que essa é a relação mais forte na vida… talvez por isso seja tão rara. E o que há no seu fundo? Simpatia? É uma palavra imprópria, sem sentido, o seu conteúdo não pode ser suficientemente forte para que duas pessoas intervenham em defesa um do outro nas situações mais críticas da vida… apenas por simpatia? Talvez seja outra coisa… (…)"

    ResponderEliminar
  3. Ofereci este livro a uma amiga no Natal já com a intenção de lho pedir para ler :) Está na minha lista de "a-ler-quando-houver-vagar" :)

    ResponderEliminar