Do amor e outros demónios #21


A minha mãe quando atendia o telemóvel dizia sempre: "Então, menina tudo bem?" 

Sempre soube, ao ouvir essa frase, que por mais coisas que me acontecessem, o dia seguinte seria um bocadinho mais tranquilo.
Nem precisava de falar muito, ela ouvia no tom da minha voz a necessidade de sentir o optimismo dela. 


Hoje é dos tais dias em que dava tudo o que tenho, nem que fosse para a ouvir.

Levaram de mim a vida dela e os segredos da minha, e agora não sei se vou ter capacidade de me reinventar e superar o amanhã sem ela. 




"Dou-me com toda a gente, E não me dou a ninguém. Frágil. Sinto-me frágil.                               Jorge Palma


Imagem retirada do site weheartit



Sem comentários:

Enviar um comentário