Dia do Pai


Passou seis natais seguidos no hospital. Adoecia sempre por essa altura, e nós passavamos o Natal sem Pai. Superou as previsões de morte para assistir ao crescimento e saída de casa dos sete filhos ao lado de uma super esposa.
A mulher adoeceu e ele ganhou energia e a força de muitos enfermeiros e médicos. Chorou e gritou na morte do filho e, dez semanas depois calmamente assistiu ao funeral da mulher (enchi-o de Valdispert, deitei comprimidos esmagados na comida dele durante os dias que antecederam o funeral). 
Hoje manda sms, tenta fazer chamadas por skype e diz que está a aprender a lidar com o silêncio de uma casa.

O meu Pai pode não ter sido o melhor do Mundo, ou o Maior, mas é o meu e é graças a ele, às dependências que ele um dia teve e à força que teve em superar tudo, que hoje sou quem sou. 




2 comentários:

  1. Querida P, gostei desta tua declaração de amor filial tão sincera.
    Um beijinho e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Foi escrito com os dedos ligados ao coração.

      beijinhos e BOM fim-de-semana.
      Tudo de bom e obrigada pela visita. ;)

      Eliminar