Divagações #18


Fui feita para trabalhar em Inglaterra. 
O pormenor, a delícia que é ao final do dia ir beber uma cerveja com os colegas de trabalho e falar sobre a selecção espanhola, sobre o 4-4-3, sobre os sapatos da Zilian, sobre os saldos da Promod, sobre os castelos de areia, fascina-me. 

Trabalhar em Portugal é deprimente, todos estão sempre com pressa, ninguém aproveita o momento, poucos são os capazes de  dizer "Gosto de ti", muito menos os que espontaneamente  ligam a dizer que sentem a nossa falta. 
Angola teve um efeito secundário em mim, o prazo de vida que deram à minha mãe teve um efeito secundário em mim. 
A vida é tão curta e passamos mais de metade a queixar-mo-nos dela, ou porque uma chefe é chata ou porque um chefe não percebe da coisa, ou porque um colega é lento e não é perspicaz e audaz. Poucos são os que sorriem e gostam do que fazem. Poucos são os que acham piada ao Relvas e à capacidade de criatividade da classe política. Muitos tal como eu, estão cheios de trabalho a acumular funções porque colegas de trabalho estão de férias! Muitos estão de mau humor, muitos mal dispostos. Mas outros tantos também estão como eu, a sorrir a beber umas cervejas, a comer uns caracóis sem pensar que a vida,... tem prazo.



nota: post escrito ao som de Awolnation-Shoestring (link).

1 comentário: