2013#358


" Nem tudo o que faço pode estar errado
quando transborda de mim o ritmo certo.
Por entre o tempo incolor averbado
sinto-o à distância sempre mais perto.

Podia ser apenas uma palavra aflitiva
o grito dado junto à montanha
- algures o despertar da sombra cativa
no lado negro da lua estranha.

Contra o mal nasce o cimento
como serpentes caçando os insectos.
Detesto os poemas circunspectos.
Então encho-os de água e de vento.

É assim que construo as casas
o empedrado dos meus pensamentos.
Derramo-os em finos segmentos
queimando o papel como brasas."

- José António Gonçalves (poeta madeirense)


2013#358 by R, SP
2013#358, a photo by R, SP on Flickr.

Sem comentários:

Enviar um comentário