Do amor e outros demónios #18



Hoje perdi a minha madrinha de baptismo, avó materna, mãe da minha mãe, avó do meu irmão. 
A última vez que estive com ela, dei-lhe comida na boca e chorei. Perguntei mentalmente a quem me quisesse ouvir "porquê é que a morte não estava a seguir a ordem natural das coisas", e porquê é que a minha mãe tinha ido antes dela, ... porquê é que o meu irmão foi antes delas...

Hoje perdi a minha avó. E não consigo chorar por ela. 
Peço desculpa, avó, nos últimos tempos não conseguia pensar em ti sem ser invadida por sentimentos de raiva...por estares viva e a minha mãe morta. 

Gostaria de poder ser Monteiro Rossi, do livro Afirma Pereira, e poder escrever sobre a minha avó o que toda a gente pensa e não tem coragem para dizer. 
Mas não o sou. 
Ficam as memórias e a frase que me acompanhará para sempre dita por ela: "O teu avô gostava muito de ti".

Imagem retirada daqui.

1 comentário:

  1. Linda,
    estou sem palavras.... mais uma perda e sim, fora da dita ordem lógica. Pelo menos agora acalmas a raiva ainda não te console.
    A morte parece rodear-te nos últimos tempos :(

    Se estivesse mais perto dava-te um abraço mas apenas fica adiado até eu voltar a Lisboa. Beijo e abraço de muita força.

    ResponderEliminar