Soltas #17

"(...)- Isso quer dizer o quê?
- Rigorosamente nada. Quer dizer, não me importa. Adoro. Mas um dia gostaria de escrever um livro para gente crescida. É o que eu sempre quis escrever, um grandioso e furioso romance sobre o estado da nação, qualquer coisa ousada e intemporal que revele a alma humana, não um monte de tolices sobre andar aos beijos a rapazes franceses em discotecas. Não é duro que baste, hã? Talvez não, mas talvez seja simplesmente o que acontece. Começas por querer mudar o mundo pela linguagem, e acabas a pensar que é suficiente contar umas quantas anedotas com piada. Meu Deus, estás a ouvir isto? A minha vida como forma de arte!
Ele deu-lhe uma cotovelada.
- Que foi?
- Estou contente por ti, só isso. (...) Estás finalmente a fazer o que sempre quiseste fazer."
Um dia de David Nichols

2 comentários:

  1. Estou a adorar o livro e quero chegar ao fim para saber o que acontece à Emmy e ao Dexter.
    :-)

    ResponderEliminar
  2. Mary, lê isso rápido.
    Adorei, adorei o livro. ;)

    O livro leva-nos numa viagem no tempo que nos faz pensar, eh pá, mas isto já foi mesmo a 5 anos?
    É espectacular.

    ResponderEliminar