Teatro: Mundo Perfeito By Heart

Imagem retirada do site Teatro Maria de Matos
Sinopse 
"Em By heart, Tiago Rodrigues ensina um poema a 10 pessoas. Essas 10 pessoas nunca viram o espectáculo e não faziam ideia que poema iam aprender de cor à frente do público. Enquanto os ensina, Tiago Rodrigues vai desfiando histórias sobre a sua avó quase-cega misturadas com histórias sobre escritores e personagens de livros que, de algum modo, estão ligados à sua avó e a ele próprio. Esses livros também estão lá, em palco, dentro de caixotes de fruta. E à medida que cada par de versos vai sendo ensinado ao grupo de 10 pessoas, vão emergindo ligações improváveis entre o vencedor do Nobel Boris Pasternak, uma cozinheira do norte de Portugal e um programa de televisão holandês chamado Beleza e Consolação. E o mistério da escolha do poema que as 10 pessoas decoram vai sendo esclarecido. By heart é uma peça sobre a importância da transmissão, do invisível contrabando de palavras e ideias que apenas guardar um texto na memória pode oferecer. É sobre um teatro que se assume como esse lugar de transmissão do que não pode ser medido em metros, euros ou bytes. É sobre o esconderijo seguro que os textos proibidos sempre encontraram nos nossos cérebros e nos nossos corações, garantia de civilização mesmo nos tempos mais bárbaros e desolados. Como diria o professor de literatura George Steiner numa entrevista ao programa de televisão Beleza e Consolação: “Assim que 10 pessoas sabem um poema de cor, não há nada que a KGB, a CIA ou a Gestapo possam fazer. Esse poema vai sobreviver”. Em última análise, By heart é uma recruta para a resistência que só termina quando os 10 guerrilheiros souberem o poema de cor."

Gostei imenso



"Quando em meu mudo e doce pensamento 
chamo à lembrança as coisas que passaram 
 choro o que em vão busquei e me sustento 
gastando o tempo em penas que ficaram. 
E afogo os olhos (pouco afins ao pranto) 
por amigos que a morte em treva esconde 
e choro a dor de amar cerrada há tanto 
e a visão que se foi e não responde. 

E então me enlutam lutos já passados, 
me falam desventura e desventura, 
lamentos tristemente lamentados. 

Pago o que já paguei e com usura. 
Mas basta em ti pensar, amigo, e assim 
têm cura as perdas e as tristezas fim." 

William Shakespeare, tradução de Vasco Graça Moura.

Sem comentários:

Enviar um comentário