Do amor e outros demónios #23



03-05-1953
03-05-2014

Imagem retirada daqui.

Viu um dia a morte pela frente e ela deixou-o sem uma perna, nada que um campeão não consiga superar com ajuda de uma prótese. Nunca o conheci de maneira diferente, o Tio da perna de pau. 
Ontem fazia planos para o dia de aniversário, saudável, cheio de energia. Fez também planos para o próximo domingo, contava ver a sua equipa ganhar, pelo menos uma vez este ano, à do do meu Pai. 

Durante esta noite a sua alma desapareceu, a minha tia (irmã da minha mãe) acordou com um corpo imóvel, frio, ao lado.
Ninguém sabe o que aconteceu. A morte não é explicável para os puros de coração.
Vejo muitos que choram pelo que não tem... Não dão valor ao que tem. 
A vida é tão efêmera, para tantas lamentações fúteis. 


Tio, o bi-tri é nosso.
O resto que se lixe.






1 comentário: